SAC SAC Deficiente Auditivo ou de Fala contato para deficientes Auditivos
20/05/2019

Combate a fraude no Seguro DPVAT

20/05/2019

Previdência privada: reservas atingem R$ 857 bilhões

20/05/2019

Previdência aberta terá R$ 1 trilhão em patrimônio até o final deste ano

20/05/2019

Empresas com investimentos represados

20/05/2019

Dólar cai com leilão de linha e exterior, mas cautela com política limita ajuste

20/05/2019

Selic no fim do ano segue em 6,50%, revela Focus

20/05/2019

IGP-M desacelera a 0,58% na segunda prévia de maio, aponta FGV

17/05/2019

Dólar abre além de R$ 4 pelo 3º dia com cautela local e de olho em EUA e China

17/05/2019

Inflação de Porto Alegre desacelera para 0,33% na segunda semana de maio, revela FGV

17/05/2019

Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi

17/05/2019

Setor de seguros brasileiro vê explosão de startups

17/05/2019

Seguro contra inadimplência tem alta de 25,5% no primeiro trimestre do ano

17/05/2019

Como criar aplicativos 100% seguros?

17/05/2019

Cenário adverso interno e externo faz Ibovespa cair e operar aquém dos 90 mil

15/05/2019

Maio Amarelo: conheça a campanha nacional de 2019

15/05/2019

China vai abrir ainda mais os setores bancários e de seguros

15/05/2019

Nova norma para insurtechs deve sair em 30 dias, diz Solange Vieira, da Susep

15/05/2019

Especial Maio Amarelo: comparação de número de crimes violentos a mortes no trânsito é destaque na mídia

15/05/2019

?A empresa onde trabalho tem plano de previdência privada com coparticipação. Vale a pena??

15/05/2019

Futuros dos investimentos

15/05/2019

Atividade econômica apresenta queda de 0,68% no primeiro trimestre

03/05/2019

Insurance, conheça todos os detalhes sobre os seguros

03/05/2019

Seguradora Líder promove encontro com Sindicatos das Seguradoras de todo o Brasil

03/05/2019

Mitos e verdades sobre a previdência privada

03/05/2019

Previc e Susep apresentam propostas para fusão das reguladoras de previdência

03/05/2019

Governo vai usar medida provisória para fusão entre Susep e Previc

03/05/2019

A reforma da Previdência e a espera de Godot

03/05/2019

‘Pílulas’ para tornar sonhos em realidade

26/04/2019

Levy diz que reforma pode favorecer investimentos em infraestrutura

26/04/2019

Reforma aumenta a procura por previdência privada no Vale do Paraíba

26/04/2019

Reforma da Previdência reduz subsídios para ricos, diz secretário

26/04/2019

Advogado alerta para riscos da capitalização da Previdência proposta pela Reforma

26/04/2019

Ministério eleva em 15% economia com PEC da Previdência e defende aprovação na íntegra

26/04/2019

Dólar sobe após PIB dos EUA e com reforma da Previdência no radar

26/04/2019

Confiança do comércio fica estável em 96,8 pontos em abril ante março, diz FGV

23/04/2019

Previdência com seguro?

23/04/2019

IR 2019: Seguro obrigatório de carro DPVAT é isento, mas deve ser informado

23/04/2019

Aproveite a segunda-feira para investir e planejar seu futuro

23/04/2019

Ramo de pessoas deve impulsionar crescimento do mercado de seguros em 2019

23/04/2019

Mudanças na aposentadoria

23/04/2019

Otimismo com CCJ e Nova Iorque em alta levam Ibovespa acima dos 95 mil pontos

23/04/2019

Dólar oscila à espera de votação da Previdência na CCJ

18/04/2019

Plano de previdência privada é impenhorável, decide TRT-2

18/04/2019

Tem previdência privada? Saiba como declarar valores no Imposto de Renda

18/04/2019

Procura por seguros cresce no primeiro trimestre e demonstra preocupação do brasileiro com a insegurança

18/04/2019

Crescimento do seguro de vida no setor audiovisual

18/04/2019

Temor da ‘caneta’ no setor público atrai seguradora

18/04/2019

62,8% das empresas corretoras de seguros estão no Sudeste

18/04/2019

Arrecadação do mercado de seguros avança dois dígitos até fevereiro

15/04/2019

Executivos explicam segredo para crescimento de 171,19% da União Seguradora

12/04/2019

Volta à Câmara projeto que exige de corretor de seguros habilitação da Susep

12/04/2019

Uma providência para a previdência privada

12/04/2019

Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?

12/04/2019

O acordão da Previdência

12/04/2019

Juros futuros fecham em alta com ambiente político conturbado

12/04/2019

Bolsas da Europa fecham em alta com dados da China e balanços dos EUA

12/04/2019

Investidor estrangeiro retira R$ 643,455 milhões da B3 no dia 10

10/04/2019

Relatório Anual 2018 da Seguradora Líder é destaque na mídia

10/04/2019

Seguro de vida: STJ afirma que seguradoras devem provar má-fé de seus clientes para recusar benefício

10/04/2019

Aposentadoria Privada x Aposentadoria Pública: Qual escolher?

10/04/2019

Minoria poupa ou tem investimento para a velhice, aponta Datafolha - Folha de S. Paulo

10/04/2019

Previdência e planejamento financeiro no mundo multitarefas

10/04/2019

Datafolha aponta que 51% são contra reforma da Previdência proposta por Bolsonaro

10/04/2019

IPO da Corsan vai patrocinar concessões

08/04/2019

Seguradora Líder promove treinamentos e encontros com foco no atendimento aos beneficiários do Seguro DPVAT

08/04/2019

O seguro é mais seguro

08/04/2019

Diretores da Susep são exonerados

08/04/2019

Lei de proteção de dados para o mercado de seguros

08/04/2019

Semana começa com mercados asiáticos sem direção

08/04/2019

Proposta de criação da capitalização é praticamente abandonada no País

08/04/2019

Política segue no foco do mercado na semana

05/04/2019

Os benefícios de investir em uma previdência privada

05/04/2019

Mercado cresceu 4,4% no primeiro bimestre

05/04/2019

Indenização do seguro precisa ser declarada no imposto de renda

05/04/2019

Superintendente da Susep diz que mercado é ?gigante?

05/04/2019

Não deveríamos discutir a reforma, mas sim se a Previdência deveria existir

05/04/2019

O Empresário e o Seguro

05/04/2019

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com EUA-China e Brexit no radar

02/04/2019

População com mais de 60 cresce e movimenta cerca de R$ 1 trilhão

02/04/2019

Valor publica especial sobre Previdência Aberta

02/04/2019

SUSEP divulga novas regras para segmento de seguro

02/04/2019

Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?

02/04/2019

A vida em primeiro lugar

02/04/2019

Seguro de vida cresce 10% e revela mudança no comportamento do brasileiro

02/04/2019

Exterior e cautela com Previdência limitam ganhos do Ibovespa

18/03/2019

Pesquisa diz que 56% dos brasileiros vão contar apenas com o INSS

18/03/2019

Como começar a investir em uma renda variável?

18/03/2019

Devo ficar no plano corporativo de previdência após demissão?

18/03/2019

IFRS 17 promove transformação no segmento de seguros

18/03/2019

Ibovespa sobe 0,88% e atinge marca inédita dos 100 mil pontos

18/03/2019

Bolsas da Europa sobem após votação do Brexit nesta terça ser descartada

13/03/2019

Seguro de vida é plano de risco que mais cresce em razão da violência

13/03/2019

Previdência privada perdeu 224 mil participantes

13/03/2019

Empresários projetam ano com avanço lento em encontro no Marcas de Quem Decide

13/03/2019

Previdência privada é opção para quem planeja bem o futuro

13/03/2019

Mercado opera atento a trâmite da Previdência

13/03/2019

Brasil vai ser se configurar como líder de crescimento em seguros

13/03/2019

Previdência Privada: O seu futuro começa agora!

08/02/2019

As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019

08/02/2019

Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma

08/02/2019

Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões

08/02/2019

Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas

08/02/2019

Alerta para o Corretor de seguros, segmento oferece grandes oportunidades em 2019

08/02/2019

Contribuição Sindical e sua importância

08/02/2019

Tribunal de Contas identifica "deficiências" na privatização das seguradoras da Caixa

06/02/2019

Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?

06/02/2019

Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas

06/02/2019

Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver

06/02/2019

Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos

06/02/2019

Os seguros diante dos desastres socioambientais

06/02/2019

Quatro maneiras de aumentar o seguro de assistência a idosos com Internet das Coisas e Inteligência Artificial

06/02/2019

'Não é o mercado que vai resolver a desigualdade social', diz governador do ES

04/02/2019

Mercado livre de energia busca crescimento

04/02/2019

Começa a contagem regressiva para declarar Imposto de Renda

04/02/2019

Reforma da Previdência: por que 4 países da América Latina revisam modelo de capitalização, prometido por Guedes ...

04/02/2019

Mercado reduz expectativa de alta do IPCA para 2019

04/02/2019

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, em dia de foco em empresas

04/02/2019

'Rio Grande do Sul é o maior desafio do Brasil', afirma secretária de Planejamento

04/02/2019

Porto Seguro lucra 34% mais e atinge R$ 1,3 bilhão em 2018

01/02/2019

Funpresp: qual a melhor decisão?

01/02/2019

Imposto de Renda 2019: O leão está chegando!

01/02/2019

O custo da herança: seguro de vida auxilia herdeiros a pagarem despesas para ter acesso ao dinheiro

01/02/2019

Corretor de Seguros deve ficar atento em algumas situações para não ser punido

01/02/2019

Repetitivos e outros casos de destaque na pauta do primeiro semestre de 2019

01/02/2019

Dólar tem maior queda para o mês de janeiro desde 2012

01/02/2019

Estudo aponta para potencial de seguros em mercados emergentes

23/01/2019

Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde

23/01/2019

Susep preparada para novo Brasil

23/01/2019

Conheça algumas razões para contratar um seguro de vida

23/01/2019

Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde

23/01/2019

Produção de seguro direto cresceu 11,7% para mais de 12,9 mil milhões no ano passado

23/01/2019

Novos riscos e novos seguros

23/01/2019

Processo de pagamento do prêmio do Seguro DPVAT é destaque na imprensa brasileira

21/01/2019

Planejamento pra garantir o futuro

21/01/2019

Capitalização

21/01/2019

Você está preparado para a reforma da Previdência?

21/01/2019

'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista

21/01/2019

Regime de capitalização da aposentadoria no INSS na Reforma da Previdência Social em 2019

21/01/2019

Empréstimo rápido pela internet: é seguro?

21/01/2019

Fundamentação da tributação dos seguros e das operações bancárias na proposta de código do IVA

18/01/2019

Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica

18/01/2019

Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica

18/01/2019

Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?

18/01/2019

Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?

18/01/2019

IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...

18/01/2019

Saque integral do FGTS em caso de pedir demissão em 2019 pode ser liberado para trabalhador

18/01/2019

Com exterior positivo, Bolsa ganha fôlego extra e chega aos 96 mil pontos

18/01/2019

Dólar tem alta pontual, mas volta a cair com exterior no radar e realização

14/01/2019

O abandono da ideia de fundir Susep e Previc

14/12/2018

Vale a pena investir em PGBL no fim do ano para ter desconto no IR?


Nessa época, pipocam as ofertas de planos de previdência tipo PGBL; é interessante investir parte do 13º salário ou da restituição de IR nesse produto? E para quem ele é indicado?
Fim de ano chegando e, com ele, 13º salário e restituição do imposto de renda. Opções do que fazer com esse dinheiro não faltam: festas, liquidações, amigo oculto da firma, matrícula, material escolar, IPTU, IPVA, IR… e que tal investir em PGBL?
O produto de fato ocupa um lugar de destaque na prateleira das instituições financeiras nessa época. Mas, afinal, compensa investir em PGBL no fim do ano?
O PGBL - Plano Gerador de Benefício Livre - é um tipo de plano de previdência privada, produto financeiro que conta com incentivos tributários para quem investe para objetivos de longo prazo, como a aposentadoria.
Seu grande apelo no fim do ano se deve justamente a um desses incentivos, a possibilidade de deduzir as contribuições feitas ao plano em até 12% da renda bruta tributável anual na declaração de imposto de renda.
Assim, se você correr para investir ainda neste ano, poderá contar com o abatimento já na próxima declaração, a ser entregue em março ou abril do ano que vem.
Mas existe mesmo esse senso de urgência? É para colocar dinheiro às pressas num PGBL? Qual o real benefício de aproveitar essa leva de fim de ano?

Não, não precisa sair correndo

Você não precisa correr para investir em PGBL antes de o ano acabar só para não perder a oportunidade de aproveitar o abatimento no ano que vem.
Se você deixar para depois, você não perde o direito ao diferimento fiscal. Ele apenas ficará para o ano seguinte.
Eu defendo que investimentos financeiros não devem ser feitos às pressas. Eles devem fazer sentido na sua carteira, considerando seu perfil e objetivos.
Primeiro, você precisa saber se investir em PGBL é para você. Em caso positivo, você deve escolher um bom produto.
Nem todos os PGBL são iguais. Há planos excelentes, que investem em fundos de investimento de gestores renomados, com excelente histórico de rentabilidade, e outros que sequer rendem 100% do CDI.
Além disso, você tem que ficar atento às taxas. Esqueça os planos com taxa de carregamento, e priorize aqueles que cobram taxas de administração condizentes com a estratégia de investimentos do fundo. Nada de pagar 2%, 3% ao ano para um plano que só investe em títulos públicos ultraconservadores.

Um pouquinho sobre os incentivos tributários do PGBL

Para saber se investir em PGBL é para você, convém aprender um pouquinho sobre os incentivos tributários da previdência privada.
O principal incentivo tributário do PGBL é mesmo essa possibilidade de abater as contribuições feitas ao plano até o limite de 12% da renda bruta tributável anual.
Ao fazer isso, você deixa de pagar o imposto de renda sobre o valor das contribuições hoje, adiando o pagamento para o momento de receber o resgate ou a renda contratada.
É por isso que a tributação do PGBL recai não só sobre a rentabilidade do plano, mas também sobre o principal.
Ao abater as contribuições na sua declaração, a quantia que você pagaria de IR sobre esses valores retorna na sua restituição.
Se quiser usar essa restituição para engordar ainda mais os seus investimentos, maravilha! Estará usando 100% dos benefícios do produto a seu favor. Você pode, inclusive, investir essa quantia no próprio PGBL, potencializando os seus ganhos.

Ausência de come-cotas

Além da possibilidade de abater as contribuições na declaração de IR, os PGBL contam com mais dois benefícios tributários.
Um deles é a ausência de come-cotas, aquela tributação semestral dos fundos de investimento comuns.
Em vez de pagar IR de seis em seis meses, mesmo sem ter feito resgates, o participante de um PGBL só paga imposto na hora de resgatar ou receber uma renda do plano.
Assim, os recursos deixam de ir embora na forma de come-cotas e continuam rentabilizando no fundo de previdência, turbinando a poupança de longo prazo do investidor.

Tabela regressiva

O outro incentivo tributário é a possibilidade de escolher entre duas tabelas de tributação: a progressiva e a regressiva.
A tabela progressiva é a mesma que incide sobre os salários. Quanto mais você receber do plano no futuro, mais imposto você paga.
As alíquotas variam de zero a 27,5%, e os valores recebidos do plano se somam às suas demais rendas tributáveis no ajuste anual.
Assim, se além dos recursos da previdência você também receber salário, aposentadoria do INSS ou aluguéis, essas rendas irão se somar e, provavelmente, acabarão em uma faixa de tributação elevada.
Já a tabela regressiva é a mais vantajosa para quem de fato quer investir para o longo prazo.
Suas alíquotas diminuem conforme o prazo de aplicação, e os valores que você recebe do plano não se somam às suas demais rendas tributáveis no ajuste anual. A tributação é exclusiva na fonte.
A alíquota começa em 35%, para aplicações de até dois anos, mas cai para 10% para investimentos superiores a dez anos - menos que os 15% mínimos das aplicações financeiras não previdenciárias. Eis a tabela regressiva da previdência privada:

Nesta outra reportagem, eu falo mais sobre como funciona a previdência privada no que diz respeito às vantagens tributárias, e como escolher a tabela de imposto de renda.
Note que, se você optar pela tabela regressiva e utilizar o PGBL corretamente, você não apenas adia o pagamento do IR sobre o investimento, como também paga menos imposto.
Se você se enquadra numa alíquota de IR elevada - digamos, a de 27,5% - você deixa de pagar este percentual sobre o valor das contribuições hoje para pagar apenas 10% no futuro, ao receber os recursos do plano.

Investir em PGBL é para você?

Para ter o direito a abater as contribuições, o participante do PGBL precisa atender a duas condições: entregar a declaração completa do imposto de renda (aquela que aproveita todas as deduções legais); e contribuir ou ser aposentado pela Previdência Social (INSS ou regime próprio de servidores públicos).
Você pode até deduzir na sua própria declaração as contribuições feitas para o PGBL de um terceiro, como seus filhos ou seu cônjuge. Mas se este terceiro tiver 16 anos ou mais, ele também precisará ser segurado da Previdência Social.
Quem entrega a declaração simplificada ou não contribui para a Previdência Social não deve investir em PGBL, ou pagará IR duas vezes.
O mais indicado, nesses casos, é fazer um VGBL, tipo de previdência privada que não permite abater as contribuições, mas compartilha dos demais benefícios tributários do PGBL.
O VGBL é tributado apenas sobre os rendimentos, o que evita a bitributação.
Pelo funcionamento das tabelas de tributação já deu para perceber que a previdência privada só é vantajosa para quem realmente tem horizonte de longo prazo.
Se você escolhe a tabela regressiva, não vale a pena investir em PGBL por um prazo inferior a oito anos. Para pagar 30% ou 35% de IR sobre principal e rentabilidade, melhor investir em uma aplicação financeira tradicional.
Afinal, a alíquota máxima no ajuste anual é 27,5%. E entre os investimentos não previdenciários, você encontra opções isentas de IR, tributadas em alíquota única de 15% ou 20%, ou então tributadas segundo uma tabela regressiva cujas alíquotas variam de 22,5% a 15%, num espaço de apenas dois anos de aplicação.

Então, a primeira coisa que você tem que se perguntar antes de investir em PGBL é: qual meu horizonte de investimento? Eu de fato usarei essa aplicação como investimento de longo prazo?

Ter reserva de emergência é fundamental

Além disso, o produto precisa fazer sentido na sua carteira de investimentos. O ideal é investir entre 5% e 20% do seu patrimônio em previdência. O restante deve ser destinado a outros tipos de aplicação, com objetivos diferentes.
Por exemplo, a sua reserva de emergência. Investimentos de longo prazo, quaisquer que sejam, só fazem sentido se você já tem uma boa reserva de curto prazo, em aplicações conservadoras, de alta liquidez e baixo risco.
Por boa reserva, quero dizer algo entre três meses e um ano de tudo aquilo que você precisa para viver, a depender da sua dificuldade de recolocação no mercado de trabalho em caso de desemprego.
Jamais invista todo o patrimônio da sua vida em qualquer coisa que deixe seu dinheiro “preso”. Isto é, em investimentos sem liquidez ou que sacrifiquem a sua rentabilidade caso você precise sair às pressas, seja pelo alto custo de saída (impostos, taxas etc.), seja porque você precisaria vender barato para se livrar deles com rapidez.

Não adianta tentar fazer truque com a tabela progressiva

Um pensamento que pode ter ocorrido a você é a possibilidade de se manter na tabela progressiva para aproveitar o diferimento tributário e investir em PGBL no curto prazo.
Afinal, a tabela progressiva não pune o participante caso ele fique pouco tempo no plano de previdência.
Em tese, você poderia investir em PGBL hoje, abater as contribuições na próxima declaração e resgatar a aplicação no fim do ano que vem.
Caso o valor resgatado seja baixo o suficiente para se enquadrar numa alíquota inferior à que normalmente incide sobre a sua renda tributável, vale a pena, certo?
Errado, porque o valor resgatado irá, de qualquer forma, se somar ao restante da sua renda tributável no ajuste anual do ano seguinte. Se o valor resultante for grande o suficiente, pode recair na faixa de tributação mais alta.
O Gabriel Escabin, especialista em previdência do BTG Pactual, fez uma simulação para mim. Voltemos ao exemplo anterior, o sujeito com a renda bruta de R$ 100 mil e a contribuição de R$ 12 mil para um PGBL.
No mesmo ano de entrega da declaração, esse cara vai receber, como restituição, R$ 3.300 referentes apenas ao imposto que ele deixou de pagar sobre os R$ 12 mil destinados à previdência.
Vamos supor que estes R$ 12 mil, aplicados, tenham rendido 7% em um ano (quase 108% do CDI, no cenário atual), rentabilidade compatível com uma boa previdência focada em renda fixa. Imagine que, ao final desse prazo, esse investidor resgatou a totalidade dos recursos: R$ 12.840.
Pela tabela progressiva anual mais recente, o valor de resgate de R$ 12.840 seria isento de IR. Então, a princípio, pode parecer que esse cara teve um ganho de R$ 3.300 + R$ 840 = R$ 4.140 ou 34,5% em relação aos R$ 12 mil iniciais. Nada mau.
Só que o valor de R$ 12.840 se somará ao restante da renda bruta tributável desse investidor naquele ano. No ajuste anual do ano seguinte, o resgate da previdência será tributado em 27,5% junto com o restante.
Ou seja, apenas sobre os R$ 12.840, ele vai pagar R$ 3.531. Lembre-se, no PGBL a alíquota incide tanto sobre o principal quanto sobre o rendimento. Seu ganho líquido no PGBL foi, na verdade, de R$ 9.309, menos do que os R$ 12 mil investidos inicialmente!
Mas ele teve a restituição de R$ 3.300 no primeiro ano, certo? Somada esta quantia com o valor resgatado do PGBL, o investidor termina com R$ 12.609. Esses R$ 609 representam um ganho de apenas 5,08% (ou cerca de 78% do CDI) em relação aos R$ 12 mil iniciais.
Daria para ganhar mais que isso em uma aplicação não previdenciária conservadora no mesmo prazo, e sem tantos malabarismos.

Sim, investir em PGBL no fim do ano é interessante

Hora de responder à questão: investir em PGBL no fim do ano vale a pena? Se o produto se encaixar no seu perfil de investidor, sim.
Não é só para bater as metas anuais que as instituições financeiras oferecem PGBL nessa época.
Este é justamente o período em que mais ocorrem investimentos esporádicos em previdência privada, por dois motivos.
Primeiro porque é justamente quando as pessoas recebem recursos de 13º salário e restituição do imposto de renda. Para quem não tem dívidas, esse dinheiro constitui uma renda extra ideal para engordar seus investimentos.
O segundo motivo é o fato de que, no fim do ano, o contribuinte já tem ideia do valor da sua renda bruta tributável anual e das suas deduções. Assim, ele já tem condições de saber se, no ano seguinte, será mais vantajoso entregar a declaração simplificada ou completa do IR.
Ao preencher a declaração, o próprio programa da Receita já indica qual dos dois modelos resulta em uma restituição maior.
Para se certificar, uma dica é simular o preenchimento da sua declaração de IR do ano seguinte ao final de cada ano, no programa antigo mesmo.
Os valores de dedução e as faixas de tributação sofrem poucas alterações ano a ano, então já dá para estimar se você deve entregar a declaração completa ou a simplificada no ano seguinte.
Se for a completa, pode investir em PGBL.

Simulação

Meus conterrâneos do BTG me mandaram outra simulação, mostrando o que aconteceria com a previdência de um investidor que investisse em PGBL da melhor maneira possível.
Novamente, eles consideraram um investidor com renda bruta anual de R$ 100 mil, corrigida anualmente por uma inflação de 4,5%, a meta atual do Banco Central.
Todos os anos, esse cara investe 12% dessa renda bruta em PGBL e obtém uma restituição, que é reinvestida no próprio PGBL.
Ou seja, uma parte do valor investido vem da renda que ele recebeu naquele ano, e outra parte vem da restituição do imposto sobre a contribuição do ano anterior.
Assim, no primeiro ano, ele investe R$ 12 mil, obtendo um montante de R$ 12.840 com uma rentabilidade de 7% ao ano.
No segundo ano, ele abate esses R$ 12 mil na declaração, restituindo R$ 3.300, e contribui com R$ 12.540, 12% da nova renda bruta corrigida pela inflação, de R$ 104.500. Repare que, desses R$ 12.540, ele só desembolsou de fato R$ 9.240, pois R$ 3.300 vieram da restituição.
Se ele fizer isso durante dez anos, acumulará um montante de pouco mais de R$ 200 mil no seu PGBL.
Dessa quantia, apenas cerca de R$ 100 mil terão de fato vindo da sua renda. Uns R$ 35 mil corresponderão às restituições reinvestidas (e estamos contando aqui apenas a restituição referente às contribuições ao PGBL, sem contar as outras).
O restante é a rentabilidade do plano, turbinada pelo fato de não haver come-cotas.
Em outras palavras, esse investidor dobrou seu patrimônio em dez anos.
A partir do décimo ano, ele já consegue resgatar pouco mais de R$ 20 mil tributados pela alíquota de 10%, assumindo-se que escolheu a tabela regressiva logo no primeiro ano. Entram líquidos, na sua conta, cerca de R$ 21 mil, quase o dobro dos R$ 12 mil do primeiro ano.
logotipo zepol