SAC SAC Deficiente Auditivo ou de Fala contato para deficientes Auditivos
18/01/2019

Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica

18/01/2019

Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica

18/01/2019

Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?

18/01/2019

Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?

18/01/2019

IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...

18/01/2019

Saque integral do FGTS em caso de pedir demissão em 2019 pode ser liberado para trabalhador

18/01/2019

Com exterior positivo, Bolsa ganha fôlego extra e chega aos 96 mil pontos

18/01/2019

Dólar tem alta pontual, mas volta a cair com exterior no radar e realização

14/01/2019

O abandono da ideia de fundir Susep e Previc

14/01/2019

Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019

14/01/2019

Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet

14/01/2019

Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução

14/01/2019

Aposentadoria dos militares: como ela é diferente da previdência do restante da população?

14/01/2019

Novos investidores do Tesouro Direto triplicam com taxa zero de bancos

14/01/2019

Dólar sobe com cautela sobre desaceleração da China e com previdência no radar

11/01/2019

Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria

11/01/2019

Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria

11/01/2019

Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas

11/01/2019

Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar

11/01/2019

Maior oferta de produtos corporativos faz setor de seguros sair...

11/01/2019

JLT lança a 4ª Edição de Relatório sobre Mercado de Seguros e Resseguros no Brasil

11/01/2019

8 dicas muito úteis de planejamento financeiro para 2019

09/01/2019

Planejamento para as despesas de início de ano

09/01/2019

Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?

09/01/2019

Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo

09/01/2019

A forma simples e eficaz de fidelizar segurados

09/01/2019

Renda Fixa ou Fundos de Previdência? Conheça as principais diferenças

09/01/2019

Novas propostas de reforma chegam a dobrar economia na Previdência

09/01/2019

Bolsa supera 93 mil pontos pela primeira vez na história

07/01/2019

Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro

07/01/2019

CNSP regulamenta mercado de anuidades

07/01/2019

Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro

07/01/2019

Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019

07/01/2019

Susep vai mudar normas para combate aos crimes de “lavagem”

07/01/2019

Dólar segue fraco com petróleo forte, negociação comercial e Powell no radar

07/01/2019

Bolsas asiáticas sobem após rali em Nova Iorque e antes de conversas entre EUA e China

04/01/2019

#RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018

04/01/2019

Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018

04/01/2019

Conjuntura CNseg

04/01/2019

O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!

04/01/2019

Empréstimos, cartões e até previdência privada: lojas invadem mercado financeiro

04/01/2019

Seguro DPVAT fica até 79% mais barato, mas não existe desconto para pagamento antecipado

04/01/2019

Presidente da República promulga lei que reforça exigências na venda de seguros

28/12/2018

Feliz 2019

14/12/2018

União Seguradora fecha o ano com novos negócios

14/12/2018

Uma parceria de sucesso

14/12/2018

Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade

14/12/2018

CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor

14/12/2018

Brasilprev vê previdência privada em 2019 mais robusta e acredita em reforma

14/12/2018

Vale a pena investir em PGBL no fim do ano para ter desconto no IR?

14/12/2018

Brasilprev avalia que unificação da Susep e Previc é razoável

04/12/2018

Um Futuro seguro precisa de planejamento

04/12/2018

Um Futuro seguro precisa de planejamento

04/12/2018

Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro

04/12/2018

Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto

04/12/2018

Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório

04/12/2018

A vez da previdência privada com a reforma no novo governo

04/12/2018

Fintechs e mudanças nos serviços financeiros

04/12/2018

Mercado aposta que investidores vão passar a aplicar mais na aposentadoria

05/11/2018

TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção

05/11/2018

Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais

05/11/2018

Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo

05/11/2018

Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS

05/11/2018

Confiança das seguradoras cresceu 26% em outubro

05/11/2018

Líder simplifica pedido do Seguro DPVAT com novo formulário unificado

05/11/2018

Inteligência artificial já é realidade no mercado de seguros

31/10/2018

Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria

31/10/2018

Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros

31/10/2018

Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros

31/10/2018

Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador

31/10/2018

Além do seguro DPVAT obrigatório, quase metade da frota brasileira possui seguro auto

31/10/2018

Confederação de seguradoras entrega 22 propostas para Bolsonaro

31/10/2018

Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS

26/10/2018

Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade

26/10/2018

?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?

26/10/2018

Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal

26/10/2018

Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador

26/10/2018

Corretor: segmento de seguros possui novas regras

26/10/2018

Seguros fazem a economia girar

26/10/2018

Governo Central registra déficit primário de R$ 23 bilhões em setembro

24/10/2018

Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?

24/10/2018

Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT

24/10/2018

Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros

24/10/2018

Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!

24/10/2018

Crescimento de estudantes brasileiros no exterior resulta em inovações nos serviços de seguro viagem

24/10/2018

Seguro e previdência às MPEs só devem ganhar força depois de 2019

24/10/2018

Com atenção à eleição, dólar alterna pequenas altas e baixas

22/10/2018

Troféu JRS 2018

19/10/2018

Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças

19/10/2018

Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC

19/10/2018

A Palavra de Ordem é Inovação

19/10/2018

Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture

19/10/2018

Qual a próxima onda?

19/10/2018

Empresários da indústria estão mais confiantes, diz CNI

19/10/2018

Dólar cai com força de moedas emergentes e sinais de estímulo chinês após PIB

16/10/2018

Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros

16/10/2018

Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*

16/10/2018

Como escolher uma boa Previdência Privada?

16/10/2018

Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada

16/10/2018

Algumas diferenças entre a Previdência do Servidor e o INSS

16/10/2018

Guardar dinheiro: um hábito que se deve aprender desde cedo

16/10/2018

Petróleo fecha em alta com tensões entre Arábia Saudita e EUA

11/10/2018

Dia da Criança

11/10/2018

Dia do Securitário

10/10/2018

Planejamento Financeiro e Previdência Privada

10/10/2018

Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC

10/10/2018

Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro

10/10/2018

Dicas de Planejamento Pessoal

10/10/2018

Seguros: a decisão de proteger o que tem de mais valioso na vida

10/10/2018

Seguro auto online: será o fim das corretoras de seguros?

10/10/2018

Bolsonaro e Haddad estão com propostas do setor de seguros para debate

08/10/2018

Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias

08/10/2018

Barreira cultural é principal desafio para assinatura eletrônica no Brasil

08/10/2018

Seguradoras adotam o uso de tecnologia 'vestível' para criar descontos

08/10/2018

Os melhores planos de previdência privada, segundo a Proteste

08/10/2018

Economia mundial corre risco de enfrentar nova crise financeira, avisa FMI

08/10/2018

O que esperar dos mercados com Bolsonaro ou Haddad?

08/10/2018

Ibovespa dispara após 1º turno das eleições; dólar cai

03/10/2018

Seguro de vida empresarial também é vantagem para o executivo

03/10/2018

Setor privado prepara projeto de reforma da Previdência para presidente eleito

03/10/2018

Congresso destaca oportunidades de negócios e função social dos corretores de vida e previdência privada

05/11/2018

TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção


A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o índice de correção monetária a ser aplicado a benefício complementar pago por entidade aberta de previdência privada deve ser estipulado pelos órgãos do Sistema Nacional de Seguros Privados.

Para o colegiado, os índices de correção devem ser adotados na seguinte ordem: ORTN, OTN, IPC, BTN, TR e índice geral de preços de ampla publicidade, conforme a época em que vigoraram os planos, inclusive com a substituição da Taxa Referencial (TR) pelo IPCA a partir de 5/9/1996.
A decisão foi tomada por unanimidade em embargos de divergência apresentados por beneficiário de plano de previdência privada. O embargante alegou divergência jurisprudencial entre decisões da Terceira e Quarta Turmas do STJ quanto à possibilidade de utilização da TR na correção de benefício de renda mensal de plano de previdência privada aberta.
O autor da ação pediu que prevalecesse a tese firmada pela Terceira Turma, de que deve ser afastada a aplicação da TR na correção monetária do benefício previdenciário complementar a partir de setembro de 1996, e adotado o INPC ou o IPCA-E, conforme normativos do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e da Superintendência de Seguros Privados (Susep).
O relator dos embargos, ministro Villas Bôas Cueva, destacou haver dois recursos especiais repetitivos pendentes de julgamento no STJ com questões similares (Tema 977). Porém, disse ele, a matéria deveria ser apreciada primeiro pela seção nos embargos de divergência, “pois é recomendável a uniformização da jurisprudência antes de ser cristalizado qualquer entendimento no feito representativo de controvérsia”.

TR

Villas Bôas Cueva explicou que a TR não é índice de correção monetária, pois, refletindo as variações do custo primário da captação dos depósitos a prazo fixo, não constitui fator que reflita a variação do poder aquisitivo da moeda.
O relator citou precedentes do Supremo Tribunal Federal (STF) indicando a impossibilidade de imposição da TR como índice de correção monetária, uma vez que a taxa não é capaz de mensurar o fenômeno inflacionário, pois sua fórmula de cálculo é desvinculada da variação de preços da economia.
O ministro mencionou também a Súmula 295 do STJ (“A Taxa Referencial é indexador válido para contratos posteriores à Lei 8.177/91, desde que pactuada”), porém, conforme observou, nos precedentes que deram origem àquele enunciado, a TR não era utilizada isoladamente, mas, sim, em conjunto com juros bancários ou remuneratórios.
Dessa forma, de acordo com Villas Bôas Cueva, “se a complementação de aposentadoria, de natureza periódica e alimentar, for corrigida unicamente pela TR, acarretará substanciais prejuízos ao assistido, que perderá gradualmente o seu poder aquisitivo com a corrosão da moeda, dando azo ao desequilíbrio contratual”.

Correção

Para o relator, os próprios órgãos reguladores do setor, atentos ao problema, reconheceram a TR como fator inadequado de correção monetária nos contratos de previdência privada aberta, editando várias orientações para a repactuação dos contratos, com o objetivo de substituí-la por um índice geral de preços de ampla publicidade.
“Com a vedação legal da utilização do salário mínimo como fator de correção monetária para os benefícios da previdência privada (Leis 6.205/75 e 6.423/77) e o advento da Lei 6.435/77 (artigo 22), devem ser aplicados os índices de atualização estipulados, ao longo dos anos, pelos órgãos do Sistema Nacional de Seguros Privados, sobretudo para os contratos de previdência privada aberta: na ordem, ORTN, OTN, IPC, BTN, TR e índice geral de preços de ampla publicidade”, explicou.

Direito adquirido

O ministro afirmou que o participante do plano tem direito adquirido ao benefício previdenciário complementar e à efetiva atualização monetária de seu valor. Porém, o direito adquirido não se estende a determinado índice de correção. Dessa forma, é possível a substituição dos índices.
“A substituição de um indexador por outro é possível desde que idôneo para medir a inflação, recompondo a obrigação contratada. Não pode incidir, dessa forma, índice aleatório, que privilegie, por um lado, a entidade de previdência privada ou, por outro, o participante”, frisou.

Custeio

Villas Bôas Cueva citou ainda diversos julgados do STJ no sentido de que a eventual ausência de fonte de custeio para suportar o pagamento das diferenças de correção monetária não tem força para afastar o direito do assistido.
Segundo os precedentes, a entidade de previdência privada tem a responsabilidade de prever a formação, a contribuição e os devidos descontos de seus beneficiários, de forma que a própria legislação estabeleceu mecanismos para que o ente previdenciário supere possíveis déficits e recomponha a reserva garantidora.
“Não prospera, portanto, a alegação da entidade aberta de previdência privada ventilada em contrarrazões no sentido de que a TR deve ser aplicada sem limite temporal para os contratos firmados em data anterior a 1º/1/1997, ao passo que somente para aqueles pactuados em data posterior é que incidiria algum dos índices gerais de preço de ampla publicidade”, afirmou.
Ao acolher os embargos, Villas Bôas Cueva destacou que deve prevalecer a tese firmada pelo acórdão paradigma proferido pela Terceira Turma, visto que a TR não pode ser utilizada como fator de correção dos benefícios da previdência privada após o reconhecimento de sua inidoneidade pelos órgãos governamentais competentes, devendo, em seu lugar, ser adotado algum índice geral de preços de ampla publicidade, que será o IPCA, a partir de 5/9/1996, na ausência de repactuação.

Leia o acórdão.
logotipo zepol