SAC SAC Deficiente Auditivo ou de Fala contato para deficientes Auditivos
07/10/2019

Bate papo sobre Estatísticas do IBGE, Previdência e Futuro

30/09/2019

União presente no evento Destaques do CVG/RS

30/09/2019

Nova plataforma facilita contratação de seguros de vida

30/09/2019

Afinal, a previdência privada é partilhável ou não?

30/09/2019

Diante de reforma, previdência privada pode ser alternativa

30/09/2019

Acredite. O valor investido em previdência tem volta

30/09/2019

Confira os dados estatísticos que se destacaram desde o lançamento do canal

30/09/2019

Investidor estrangeiro ingressa com R$ 517,656 milhões na B3 no dia 26

17/09/2019

União Seguradora patrocina o Acampamento Farroupilha

17/09/2019

Fundos de Previdência Privada no Brasil tem R$ 1 tri para investir e Agronegócio pode se tornar um grande aliado

17/09/2019

Dá pra portar seu Plano de Previdência

17/09/2019

LGPD: Seguradoras terão maior controle no compartilhamento de dados, dizem advogadas

17/09/2019

Susep emite parecer jurídico sobre a contratação direta de produtos de seguros

17/09/2019

Com queda acima de 2%, ações da Petrobras impedem alta do Ibovespa

17/09/2019

Dólar segue tendência externa e opera em alta ante o real

09/09/2019

Grupo Aspecir participa do SEMTEC 2019

05/09/2019

Apenas 15% dos brasileiros têm Seguro de Vida

05/09/2019

Penteado: DPVAT ? Faltou bom senso

05/09/2019

Cresce interesse por seguro entre jovens e mais pobres

05/09/2019

Previdência privada mantém número de investidores desde 2016

05/09/2019

CNseg revisa projeções para mercado de seguros e espera alta de até 10,6%

05/09/2019

Dólar abre em baixa com cenário externo, mas teto de gastos é ponto de atenção

05/09/2019

IPC-C1 sobe 0,11% em agosto ante 0,43% em julho, revela FGV

27/08/2019

União entrega prêmio de capitalização

27/08/2019

Professora recebe prêmio da União Seguradora

27/08/2019

Novos negócios para a União Seguradora

27/08/2019

Novos negócios para a União Seguradora

27/08/2019

Como dar entrada no DPVAT, seguro que indeniza vítimas de acidentes

13/08/2019

Apólices de saúde e prestamista têm maior avanço e são aposta para 2020

13/08/2019

Susep dá prazo de 30 dias para seguradoras adequarem o seguro para países com embargo

13/08/2019

Inteligência Artificial incentiva seguros mais personalizados e segurados mais precavidos

13/08/2019

Indenização do seguro de vida: Saiba como solicitar

13/08/2019

Plano de previdência antigo pode ter tesouro escondido – e portabilidade pode não ser uma boa

13/08/2019

Créditos do Fundopem são adquiridos por R$ 464,7 milhões

02/08/2019

Pesquisa da Fenacor indica que mercado está otimista

02/08/2019

Com reaquecimento da indústria do turismo, seguro-viagem dispara

02/08/2019

Seguros ajudam o empreendedor a dar foco total no negócio

02/08/2019

Corretores de seguros devem orientar seus clientes sobre novas regras

02/08/2019

Procura por planos de previdência privada chega a aumentar 37% no DF

02/08/2019

Marcio Coriolano apresenta setor segurador ao vice-presidente da República Hamilton Mourão

02/08/2019

Acidentes envolvendo motocicletas ultrapassam 119 mil indenizações do Seguro DPVAT em 2019

26/07/2019

Aspecir Previdência completa 82 anos com os melhores resultados do mercado

26/07/2019

Direitos das vítimas do trânsito: Seguros

26/07/2019

67% dos brasileiros compartilhariam informações pessoais por preços menores em serviços financeiros

26/07/2019

AXA estuda trazer para o Brasil soluções inovadoras de microsseguros

26/07/2019

Dívida pública sobe em junho e atinge R$ 3,977 trilhões, diz Tesouro

26/07/2019

Qual a diferença entre a previdência privada e pública?

26/07/2019

Por que você deve começar a pensar na aposentadoria bem antes de ter tempo de trabalho ou idade para desfrutá-la

15/07/2019

Aspecir Previdência tem o maior rendimento em fundos de renda fixa nos últimos tempos

15/07/2019

Arquivos de mídia no WhatsApp e Telegram podem não ser tão seguros

15/07/2019

Benefício menor exigirá planejamento financeiro de famílias

15/07/2019

INSS: É possível ter mais de uma aposentadoria?

15/07/2019

Mudanças na aposentadoria e no plano de carreira de servidores são prioridades de Leite no segundo semestre

15/07/2019

Projeção de alta do PIB de 2019 cai para 0,81% na pesquisa Focus

15/07/2019

Estado poderá receber R$ 8 bilhões de créditos da CEEE, diz Lemos

05/07/2019

Caderno Finanças Mais, do Estadão, traz especial sobre empresas do setor financeiro, com destaque para o setor segurador

05/07/2019

Mais acessíveis, seguros de vida ganham espaço no mercado

05/07/2019

Susep promete mais ?espaço? para o mercado crescer

05/07/2019

Susep encerra atividades em escritório da Capital gaúcha

05/07/2019

Seguro do Brasil no Mundo, 2018

05/07/2019

Seguro prestamista vale a pena?

01/07/2019

União amplia relacionamento com MTG/RS

28/06/2019

A 88i é um app de serviços digitais para a contratação de seguros e assistências

28/06/2019

Liquidação extrajudicial não autoriza instituição a levantar valores depositados em cumprimento de sentença

28/06/2019

Para cálculo da renda inicial de previdência complementar, prevalecem regras da época da aposentadoria

28/06/2019

"Há 4 anos fiz um VGBL para minha filha e todo mês aplico R$ 130. Vale a pena manter esse investimento?"

28/06/2019

OAB-SP questiona IR sobre restituição a advogados expulsos de previdência

28/06/2019

Déficit na Previdência divide especialistas no MTalk

28/06/2019

Retomada dos investimentos está à espera da aprovação das reformas

24/06/2019

União Seguradora contempla MG com prêmio de Capitalização

24/06/2019

Saiba por quanto tempo guardar comprovantes e notas fiscais

24/06/2019

Ecossistemas digitais: juntos vamos mais longe

24/06/2019

Banco digital acelera expansão e testa fôlego do segmento

24/06/2019

STJ define regra aplicável no cálculo da renda inicial de previdência privada

24/06/2019

Aposentadoria tranquila requer mudança de cultura

24/06/2019

Projeção para alta do PIB de 2019 passa para 0,87%, prevê Focus

21/06/2019

Setor segurador registra alta de 4,9% no acumulado até abril

21/06/2019

Susep anuncia avanços expressivos para a inovação em seguros

21/06/2019

CIAB: mercado segurador vive o estágio de Reinvenção Digital

21/06/2019

Os aspectos da Nova Previdência e os impactos na sociedade e no seguro

21/06/2019

Temos € 500 bi para investir. O Brasil está nos planos

21/06/2019

Em recuperação judicial, Odebrecht tem R$ 5 bi em apólices de seguros

21/06/2019

Ibovespa segue alta e abre sessão em nova máxima histórica

19/06/2019

Setor segurador registra alta de 4,9% no acumulado até abril

19/06/2019

Aumenta participação de ?Insurtechs? no setor de seguros

19/06/2019

Previdência Privada: até qual idade aderir?

19/06/2019

Tranquilidade rescindiu com 28% do pessoal nos últimos dois anos

19/06/2019

Não incide IR sobre restituição a advogados expulsos de Previdência

19/06/2019

Ibovespa abre no positivo, vira e exibe leve baixa; no Senado, Moro nega conluio

18/06/2019

União entrega mais um prêmio de capitalização

17/06/2019

Créditos de PIS e COFINS ? Insumos EPIs, Emplacamento e Seguro

17/06/2019

O corretor não é o vilão. O vilão não está na comissão

17/06/2019

Aposentar somente pelo INSS é suficiente? Saiba mais sobre a Previdência Privada

17/06/2019

65% das pessoas que guardam dinheiro escolhem poupança, diz pesquisa; medo e costume estão entre as justificativas

17/06/2019

Herança

17/06/2019

TJ-RJ declara inconstitucional cobrança de ITCMD sobre previdência

17/06/2019

Entenda por que os fundos de investimentos são os 'queridinhos' do momento

12/06/2019

Grupo Aspecir em Belo Horizonte

07/06/2019

Presidente do Grupo Aspecir recebe Comenda Metropolitana

07/06/2019

Presidente do Grupo Aspecir recebe Comenda Metropolitana

07/06/2019

União Seguradora entrega prêmio

05/06/2019

Uso da tecnologia traz benefícios para o mercado de seguros

05/06/2019

Susep alerta Corretor sobre Riscos Excluídos

05/06/2019

Instituições financeiras podem explorar sistemas bancários integrados para oferecer serviços digitais seguros, diz Unisys

05/06/2019

A Importância da Importância do Corretor de Seguros

05/06/2019

Como garantir pensão do INSS para os filhos?

05/06/2019

Cautela política interna direciona Ibovespa

05/06/2019

Dólar abre em queda após dados de criação de emprego nos EUA

24/05/2019

No mês da conscientização no trânsito, confira dicas para evitar acidentes

24/05/2019

Entenda como funciona a previdência complementar no Brasil

24/05/2019

Setor tem números positivos até março de 2019 e provisões técnicas avançam 10%

24/05/2019

Susep nomeia diretores

24/05/2019

Tecnologia ajuda Seguradora Líder a identificar fraudes no Seguro DPVAT

24/05/2019

Justiça do Trabalho julgará contribuição de empresa para previdência privada

24/05/2019

Renda fixa e planos privados são saídas para se aposentar sem o INSS

20/05/2019

Combate a fraude no Seguro DPVAT

20/05/2019

Previdência privada: reservas atingem R$ 857 bilhões

20/05/2019

Previdência aberta terá R$ 1 trilhão em patrimônio até o final deste ano

20/05/2019

Empresas com investimentos represados

20/05/2019

Dólar cai com leilão de linha e exterior, mas cautela com política limita ajuste

20/05/2019

Selic no fim do ano segue em 6,50%, revela Focus

20/05/2019

IGP-M desacelera a 0,58% na segunda prévia de maio, aponta FGV

17/05/2019

Dólar abre além de R$ 4 pelo 3º dia com cautela local e de olho em EUA e China

17/05/2019

Inflação de Porto Alegre desacelera para 0,33% na segunda semana de maio, revela FGV

17/05/2019

Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi

17/05/2019

Setor de seguros brasileiro vê explosão de startups

17/05/2019

Seguro contra inadimplência tem alta de 25,5% no primeiro trimestre do ano

17/05/2019

Como criar aplicativos 100% seguros?

17/05/2019

Cenário adverso interno e externo faz Ibovespa cair e operar aquém dos 90 mil

15/05/2019

Maio Amarelo: conheça a campanha nacional de 2019

15/05/2019

China vai abrir ainda mais os setores bancários e de seguros

15/05/2019

Nova norma para insurtechs deve sair em 30 dias, diz Solange Vieira, da Susep

15/05/2019

Especial Maio Amarelo: comparação de número de crimes violentos a mortes no trânsito é destaque na mídia

15/05/2019

?A empresa onde trabalho tem plano de previdência privada com coparticipação. Vale a pena??

15/05/2019

Futuros dos investimentos

15/05/2019

Atividade econômica apresenta queda de 0,68% no primeiro trimestre

03/05/2019

Insurance, conheça todos os detalhes sobre os seguros

03/05/2019

Seguradora Líder promove encontro com Sindicatos das Seguradoras de todo o Brasil

03/05/2019

Mitos e verdades sobre a previdência privada

03/05/2019

Previc e Susep apresentam propostas para fusão das reguladoras de previdência

03/05/2019

Governo vai usar medida provisória para fusão entre Susep e Previc

03/05/2019

A reforma da Previdência e a espera de Godot

03/05/2019

‘Pílulas’ para tornar sonhos em realidade

26/04/2019

Levy diz que reforma pode favorecer investimentos em infraestrutura

26/04/2019

Reforma aumenta a procura por previdência privada no Vale do Paraíba

26/04/2019

Reforma da Previdência reduz subsídios para ricos, diz secretário

26/04/2019

Advogado alerta para riscos da capitalização da Previdência proposta pela Reforma

26/04/2019

Ministério eleva em 15% economia com PEC da Previdência e defende aprovação na íntegra

26/04/2019

Dólar sobe após PIB dos EUA e com reforma da Previdência no radar

26/04/2019

Confiança do comércio fica estável em 96,8 pontos em abril ante março, diz FGV

23/04/2019

Previdência com seguro?

23/04/2019

IR 2019: Seguro obrigatório de carro DPVAT é isento, mas deve ser informado

23/04/2019

Aproveite a segunda-feira para investir e planejar seu futuro

23/04/2019

Ramo de pessoas deve impulsionar crescimento do mercado de seguros em 2019

23/04/2019

Mudanças na aposentadoria

23/04/2019

Otimismo com CCJ e Nova Iorque em alta levam Ibovespa acima dos 95 mil pontos

23/04/2019

Dólar oscila à espera de votação da Previdência na CCJ

18/04/2019

Plano de previdência privada é impenhorável, decide TRT-2

18/04/2019

Tem previdência privada? Saiba como declarar valores no Imposto de Renda

18/04/2019

Procura por seguros cresce no primeiro trimestre e demonstra preocupação do brasileiro com a insegurança

18/04/2019

Crescimento do seguro de vida no setor audiovisual

18/04/2019

Temor da ‘caneta’ no setor público atrai seguradora

18/04/2019

62,8% das empresas corretoras de seguros estão no Sudeste

18/04/2019

Arrecadação do mercado de seguros avança dois dígitos até fevereiro

15/04/2019

Executivos explicam segredo para crescimento de 171,19% da União Seguradora

12/04/2019

Volta à Câmara projeto que exige de corretor de seguros habilitação da Susep

12/04/2019

Uma providência para a previdência privada

12/04/2019

Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?

12/04/2019

O acordão da Previdência

12/04/2019

Juros futuros fecham em alta com ambiente político conturbado

12/04/2019

Bolsas da Europa fecham em alta com dados da China e balanços dos EUA

12/04/2019

Investidor estrangeiro retira R$ 643,455 milhões da B3 no dia 10

13/08/2019

Plano de previdência antigo pode ter tesouro escondido – e portabilidade pode não ser uma boa


Planos de previdência privada com tábuas de mortalidade antigas podem garantir boa rentabilidade para quem decidir convertê-los em renda; fazer portabilidade para planos mais baratos e rentáveis pode, no fim das contas, não ser vantajoso
Essa vai para o pessoal que contratou um plano de previdência privada antes de 2010. Você sabe o que é uma tábua de mortalidade, também chamada de tábua biométrica ou atuarial?
Esse termo técnico pode, à primeira vista, não parecer muito relevante para os participantes de planos de previdência, que já têm que se preocupar com uma porção de outros números no planejamento da sua aposentadoria.
Mas para participantes de planos antigos, vale a pena dispensar alguma atenção à tábua de mortalidade da sua previdência privada, pois ela pode conter uma espécie de tesouro escondido.

Tábua de mortalidade: o que é

A tábua de mortalidade é um instrumento das ciências atuariais para estimar a expectativa de sobrevida das pessoas que chegam à idade da aposentadoria - 60 ou 65 anos, em geral.
Em outras palavras, ela permite projetar quantos anos a mais uma pessoa que acabou de chegar à terceira idade pode viver dali para frente.
Essas tábuas atuariais são usadas pelos planos de previdência privada para calcular as modalidades de renda que o participante pode contratar na aposentadoria, se assim desejar.
Conforme eu já expliquei nesta outra matéria, após alguns anos acumulando recursos no plano, você pode optar por permanecer na fase de acumulação e viver do dinheiro que conseguiu juntar, fazendo resgates periódicos; ou usar seu saldo para comprar uma modalidade de renda mensal, reversível ou não aos seus beneficiários, deixando o saldo acumulado para a seguradora.
Pois bem, a tábua atuarial é usada para o cálculo do benefício neste segundo caso, o da renda. Conheça as diferentes modalidades de renda dos planos de previdência privada.
“É importante lembrar que a tábua de mortalidade não interfere na fase de acumulação. Os fatores que interferem nesta fase são os custos do plano, a rentabilidade, o valor investido periodicamente e o prazo do investimento”, observa Maristela Gorayb, planejadora financeira certificada (CFP®?) pela Planejar e sócia da Unblur Coach e Consultoria.

As principais tábuas atuariais

Até 2010, os planos de previdência brasileiros utilizavam tábuas atuariais americanas para o cálculo das rendas a serem pagas aos seus participantes.
As mais comuns eram aquelas cujas expectativas de sobrevida para idosos eram referentes aos anos de 1949 (AT-1949), 1983 (AT-1983) e 2000 (AT-2000).
Cada tábua de mortalidade atualizava a expectativa de vida da tábua anterior com as condições do ano em que era calculada.
Quanto mais antiga a tábua de um plano, mais vantajosa ela é para o participante, pois menor a expectativa de sobrevida embutida. E quanto menor a expectativa de sobrevida, maior a renda mensal obtida para quem opta por uma modalidade de renda.
No caso da renda vitalícia, quem vive mais tempo do que a expectativa de sobrevida da tábua sai na vantagem, porque a seguradora continua obrigada a pagar até a morte do participante o mesmo valor de renda que havia sido calculado para um prazo menor.
Além disso, as tábuas atuariais antigas normalmente previam que o valor da renda seria corrigido pela inflação (IGP-M) mais uma taxa de juros real, isto é, uma taxa prefixada acima da inflação, que podia variar de 1% a 6% ao ano.

Versão brasileira

Só que em 2010, o Brasil instituiu a sua própria tábua de mortalidade, a BR-EMS, que tinha algumas diferenças em relação às tábuas americanas.
Em primeiro lugar, seus cálculos foram baseados em dados brasileiros. A expectativa de sobrevida foi, é claro, atualizada para os anos 2000, mas considerou a realidade brasileira, que é em média pior que a realidade americana para a sobrevivência na terceira idade.
Então, ao menos nesse aspecto, a tábua de mortalidade brasileira se mostra mais vantajosa que as americanas, do ponto de vista dos participantes dos planos.
Se atualizada, a tábua atuarial americana provavelmente teria uma expectativa de sobrevida maior que a brasileira para a mesma época.
Afinal, mesmo considerando a realidade dos brasileiros de maior renda, que são os que costumam contratar previdência complementar, as condições de vida por aqui não são tão boas quanto as dos Estados Unidos.
Porém, a tabela BR-EMS prevê uma atualização automática da expectativa de sobrevida a cada cinco anos. A primeira revisão se deu em 2015 e a segunda ocorrerá em 2020.
Isso representa uma vantagem para as seguradoras e para a solvência do mercado de seguros como um todo.
Ao estimar os pagamentos de benefícios sempre com os dados mais atualizados e fiéis à realidade brasileira, as seguradoras têm maior previsibilidade e menor risco, o que acaba sendo bom também para os clientes, que contam com mais segurança.

Desvantagens da tábua BR-EMS

Contudo, do ponto de vista da remuneração do participante, as condições ficaram menos vantajosas. Os novos planos que utilizam a tábua de mortalidade brasileira estarão com a expectativa de sobrevida sempre atualizada.
Assim, não é mais possível tirar vantagem da contratação de uma tábua de mortalidade muito desatualizada, como é o caso de quem fez um plano de previdência em 1999 com a tábua AT-1983, digamos.
Além disso, diferentemente do que ocorre nos planos antigos, que preservavam a tábua de mortalidade contratada, os planos que adotam a tábua BR-EMS estão sujeitos às atualizações quinquenais, sendo válida a tábua da época em que o participante se aposenta e converte seu saldo para renda, e não mais a da época da contratação do plano.
Finalmente, os planos que adotam a tábua BR-EMS costumam corrigir os valores dos benefícios somente com base em um índice de inflação. Não há mais aquele rendimento real que costumava ocorrer nos planos antigos.

Tábuas antigas podem ser mais vantajosas

Para quem pretende contratar uma modalidade de renda, a expectativa de sobrevida mais baixa e o juro real na correção do benefício fazem com que os planos de previdência anteriores a 2010 tenham condições mais vantajosas do que os que utilizam a tábua BR-EMS.
A título de ilustração, Maristela Gorayb simulou a renda inicial de um mesmo participante (homem de 60 anos), com um mesmo saldo acumulado (R$ 1 milhão) em três tábuas biométricas diferentes: a BR-EMS, sem juro real na correção; a AT-2000 sem juro real na correção; e a AT-2000 com um juro de 3% ao ano acima da inflação na correção.
Assim, você pode ver, isoladamente, os efeitos da longevidade prevista em cada tabela e da presença ou não dos juros reais:

No site da Superintendência de Seguros Privados (Susep) também é possível ver comparações desse tipo. No item Serviços ao Cidadão, no menu lateral, acesse “Performance dos fundos previdenciários” e escolher um dos prazos para baixar a planilha com todos os prazos dos fundos disponíveis hoje.
Na aba “Anuidades”, é possível ver quanto você precisa ter de saldo no plano, para cada tábua de mortalidade existente, para obter R$ 1.000 de renda vitalícia mensal.
Por exemplo, na tabela AT-49 masculina com juro prefixado de 6% ao ano, R$ 110 mil reais bastam para obter tal renda. Sem esse juro, seria preciso acumular quase R$ 180 mil, com a mesma tabela, para obter a mesma renda.
Já na tabela BR-EMS masculina sem juro atuarial, o saldo necessário para uma renda de R$ 1.000 é da ordem de R$ 250 mil, mais do que o dobro do primeiro caso.

Na portabilidade, você perde a tábua antiga

Quem contratou um plano de previdência lá atrás garantiu as condições da tábua antiga até a aposentadoria. Caso faça portabilidade, porém, o participante perde a tábua atuarial contratada e migra para um plano com a tábua atual.
“A seguradora não pode migrar os clientes de tábua. O participante pode continuar contribuindo para o plano com a tábua antiga, e ela continua válida. O máximo que a seguradora pode fazer é parar de oferecer o plano com a tábua antiga para novos clientes”, explica Maristela.
Mesmo que o plano antigo tenha uma rentabilidade menor por conta de custos altos, as taxas mais baixas do novo plano e o consequente ganho de rendimento podem não compensar o impacto da adoção de uma nova tabela na hora de converter o saldo em renda.
Para Maristela, para quem pretende contratar renda, pode fazer sentido permanecer num plano antigo para preservar a tábua de mortalidade contratada. Até porque pode ser que o plano antigo preveja uma correção por um juro real elevado, maior do que é possível conseguir na renda fixa atualmente, com a Selic tão baixa.
“Está cada vez mais difícil viver de renda porque os juros reais estão muito baixos. É preciso trabalhar bem o dinheiro e ter reservas muito grandes”, diz a CFP®?.
Mas é claro que, para quem tem a intenção de viver dos resgates, de usar o plano para fazer planejamento sucessório ou de converter apenas uma parte do seu saldo em renda, a portabilidade para um plano mais barato e rentável certamente vale a pena, uma vez que a tábua de mortalidade não fará diferença.
Nesses casos, o mais interessante é acumular o máximo de recursos possível, uma vez que o objetivo é usufruir das reservas.

Faça simulações

Assim, se você estiver perto da aposentadoria, vale a pena fazer algumas simulações. Primeiro, simule quanto mais você consegue acumular no seu plano atual e, com o saldo obtido ao fim do período de acumulação, quanto você conseguiria na modalidade de renda desejada.
Simule também quanto seria possível resgatar periodicamente para viver durante o prazo projetado, ou mesmo sem consumir o principal, se possível.
Depois, faça as mesmas simulações em um plano mais barato e mais rentável, ainda que com uma tábua de mortalidade menos vantajosa e verifique se a portabilidade é interessante.
No site da Susep é possível fazer algumas simulações em “Serviços ao Cidadão”> “Cálculo PGBL e VGBL”.
Outra possibilidade, para quem ainda tem pelo menos uns dez anos de acumulação pela frente, é manter um plano antigo para convertê-lo em renda e iniciar um plano novo com custos e rentabilidade mais atrativos, com foco nos resgates e no planejamento sucessório. Afinal, você pode ter quantos planos de previdência quiser.
Caso você já contribua para um PGBL até o limite de 12% da sua renda bruta tributável anual, parcela que pode ser abatida na declaração de imposto de renda, basta que o novo plano seja um VGBL, já que as contribuições feitas a ele vão ultrapassar o teto dedutível.

É vantajoso contratar renda?

Eu já falei nesta outra matéria sobre quais fatores considerar para escolher entre viver de resgates ou converter o saldo do plano em renda.
Pouca gente atualmente contrata renda. Um fator que pesa contra essa opção é o fato de que você deixa o saldo acumulado no plano para a seguradora, e esta passa a ter uma obrigação de te pagar todos os meses.
Muita gente prefere fazer a gestão do próprio dinheiro por meio de resgates programados pois teme, por exemplo, que a seguradora possa quebrar e não ser mais capaz de arcar com os benefícios.
Além disso, em algumas modalidades de renda, como a renda vitalícia, não há reversão para os beneficiários. Isto é, quando o participante morre, seus dependentes não levam nada.
Isso pode ser tremendamente desvantajoso se o participante morrer cedo. Ele deixou todos os seus recursos para a seguradora, quase não aproveitou o benefício e seus dependentes não levarão nada.
Mas se ele viver por muito tempo, a renda vitalícia se revela um ótimo seguro, pois caso ele tivesse optado pelos resgates, seu patrimônio poderia ser insuficiente para mantê-lo até o fim da vida. De qualquer maneira seus dependentes ficariam sem nada e ainda teriam que ajudá-lo financeiramente.
É claro que é possível contratar renda vitalícia reversível para os beneficiários após a morte do titular, mas essa vantagem reduz o valor da renda, pois representa um risco ainda maior para a seguradora - de o participante viver muito e seus beneficiários também.
“Outro fator a se considerar na hora da escolha é o quão saudável estaremos para fazer a gestão dos nossos recursos”, orienta Maristela.
Para ela, faz sentido, em algum momento da vida, converter pelo menos parte do saldo do plano em renda vitalícia, garantido um valor mensal mínimo para as contas fixas, pensando na idade mais avançada. E com os restante dos recursos, ir fazendo resgates esporádicos.
“Seria uma espécie de seguro contra a longevidade”, diz a planejadora financeira.

Fonte: seudinheiro
logotipo zepol