SAC SAC Deficiente Auditivo ou de Fala contato para deficientes Auditivos
05/11/2018

TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção

05/11/2018

Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais

05/11/2018

Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo

05/11/2018

Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS

05/11/2018

Confiança das seguradoras cresceu 26% em outubro

05/11/2018

Líder simplifica pedido do Seguro DPVAT com novo formulário unificado

05/11/2018

Inteligência artificial já é realidade no mercado de seguros

31/10/2018

Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria

31/10/2018

Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros

31/10/2018

Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros

31/10/2018

Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador

31/10/2018

Além do seguro DPVAT obrigatório, quase metade da frota brasileira possui seguro auto

31/10/2018

Confederação de seguradoras entrega 22 propostas para Bolsonaro

31/10/2018

Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS

26/10/2018

Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade

26/10/2018

?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?

26/10/2018

Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal

26/10/2018

Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador

26/10/2018

Corretor: segmento de seguros possui novas regras

26/10/2018

Seguros fazem a economia girar

26/10/2018

Governo Central registra déficit primário de R$ 23 bilhões em setembro

24/10/2018

Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?

24/10/2018

Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT

24/10/2018

Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros

24/10/2018

Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!

24/10/2018

Crescimento de estudantes brasileiros no exterior resulta em inovações nos serviços de seguro viagem

24/10/2018

Seguro e previdência às MPEs só devem ganhar força depois de 2019

24/10/2018

Com atenção à eleição, dólar alterna pequenas altas e baixas

22/10/2018

Troféu JRS 2018

19/10/2018

Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças

19/10/2018

Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC

19/10/2018

A Palavra de Ordem é Inovação

19/10/2018

Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture

19/10/2018

Qual a próxima onda?

19/10/2018

Empresários da indústria estão mais confiantes, diz CNI

19/10/2018

Dólar cai com força de moedas emergentes e sinais de estímulo chinês após PIB

16/10/2018

Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros

16/10/2018

Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*

16/10/2018

Como escolher uma boa Previdência Privada?

16/10/2018

Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada

16/10/2018

Algumas diferenças entre a Previdência do Servidor e o INSS

16/10/2018

Guardar dinheiro: um hábito que se deve aprender desde cedo

16/10/2018

Petróleo fecha em alta com tensões entre Arábia Saudita e EUA

11/10/2018

Dia da Criança

11/10/2018

Dia do Securitário

10/10/2018

Planejamento Financeiro e Previdência Privada

10/10/2018

Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC

10/10/2018

Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro

10/10/2018

Dicas de Planejamento Pessoal

10/10/2018

Seguros: a decisão de proteger o que tem de mais valioso na vida

10/10/2018

Seguro auto online: será o fim das corretoras de seguros?

10/10/2018

Bolsonaro e Haddad estão com propostas do setor de seguros para debate

08/10/2018

Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias

08/10/2018

Barreira cultural é principal desafio para assinatura eletrônica no Brasil

08/10/2018

Seguradoras adotam o uso de tecnologia 'vestível' para criar descontos

08/10/2018

Os melhores planos de previdência privada, segundo a Proteste

08/10/2018

Economia mundial corre risco de enfrentar nova crise financeira, avisa FMI

08/10/2018

O que esperar dos mercados com Bolsonaro ou Haddad?

08/10/2018

Ibovespa dispara após 1º turno das eleições; dólar cai

03/10/2018

Seguro de vida empresarial também é vantagem para o executivo

03/10/2018

Setor privado prepara projeto de reforma da Previdência para presidente eleito

03/10/2018

Congresso destaca oportunidades de negócios e função social dos corretores de vida e previdência privada

03/10/2018

CNSeg enviou documento aos presidenciáveis às vésperas das eleições

03/10/2018

Corretor entenda o novo conceito que pode fazer a diferença no mercado de seguros

03/10/2018

Bolsas da Europa fecham em alta com otimismo em relação a orçamento na Itália

03/10/2018

Entrada de dólar supera saída em US$ 18,040 bilhões no ano até setembro, diz BC

28/09/2018

Seguro de vida em grupo é disseminado, mas pode ser melhor apresentado

28/09/2018

Plano VGBL é porta de entrada na previdência

28/09/2018

Como negociar ao contratar um plano de previdência?

28/09/2018

Assistência digital de Seguradora chega ao Google Assistente e oferece vários serviços exclusivos

28/09/2018

Parcelamento é opção para evitar exclusão do Simples

28/09/2018

Entenda quando começa o prazo para seguradora declinar proposta

28/09/2018

Pesquisa revela falta de “cultura do seguro” no país

24/09/2018

Dívida Pública Federal sobe 0,98% em agosto para R$ 3,785 tri, diz Tesouro

24/09/2018

Economia de partilha. ?Vamos largar esta ideia de que temos de ser donos de tudo o que usamos? /premium

24/09/2018

XP lança robô para recomendar investimentos

24/09/2018

Competição em taxas é acirrada nos bancos

24/09/2018

Como investir na sua aposentadoria

24/09/2018

Como planejar a aposentadoria

24/09/2018

Seguradora dos EUA passa a exigir trackers de fitness nas apólices

17/09/2018

União Seguradora comemora 105 anos no Acampamento Farroupilha

17/09/2018

Previdência: um dia você vai precisar dela

17/09/2018

Mercado segurador cresce apesar da instabilidade política

17/09/2018

Primeira turma do Programa Recomeço, desenvolvido pela Seguradora Líder, conclui qualificação

17/09/2018

Transparência nas licitações: seguradoras apoiam

17/09/2018

Seguros: vendas estagnadas no acumulado do ano, até julho

17/09/2018

IBC-Br sobe 0,57% em julho ante junho, com ajuste, revela BC

14/09/2018

União Seguradora comemora 105 anos.

12/09/2018

Seguro DPVAT: de janeiro a julho, Seguradora Líder identificou mais de 6,7 mil pedidos indevidos

12/09/2018

Confira os estados onde há vencimento do Seguro DPVAT no mês de setembro

12/09/2018

Resseguradores se reúnem em Mônaco; Swiss Re divulga estudo

12/09/2018

Projeto de Lei atribui novas responsabilidades à autorreguladora do mercado

12/09/2018

Projeto de Lei atribui novas responsabilidades à autorreguladora do mercado

12/09/2018

Como fidelizar clientes?

12/09/2018

70 anos do Clube da Bolinha

12/09/2018

Nova plataforma quer dar transparência a licitações...

10/09/2018

'Pé de meia': confira o melhor investimento para cada fase da vida

10/09/2018

Processos Ágeis transformam modelo de negócios no setor de seguros

10/09/2018

5 diferenciais para o corretor de seguros dos dias de hoje

10/09/2018

Transformação digital impõe desafios para lideranças do setor de tecnologia das seguradoras

10/09/2018

Mercado reduz alta do PIB e inflação de 2018

10/09/2018

Dólar abre semana entre altas e baixas com investidor de olho na eleição

10/09/2018

Ibovespa sobe amparado por clima ameno no exterior e busca 77 mil pontos

04/09/2018

Reforma política coloca o benefício da previdência em pauta

04/09/2018

Segundo estudo, apenas 19% dos Brasileiros tem seguro de vida. Especialista dá dicas e ensina corretores de todo Brasil a escalarem seus negócios

04/09/2018

Poupança ainda é o investimento preferido do brasileiro

04/09/2018

Como o envelhecimento mudou nos últimos 20 anos

04/09/2018

Rombo da Previdência é de R$ 35 milhões e o déficit mensal do Paço atinge R$ 20 mi?

04/09/2018

Sindseg faz palestra para empresários e o mercado de seguros em Marabá (PA)

08/10/2018

O que esperar dos mercados com Bolsonaro ou Haddad?


Agora é oficial: o Brasil será governado ou por Jair Bolsonaro, do PSL, ou por Fernando Haddad, do PT. O que isso pode significar para o país que está saindo de uma das suas piores crises econômicas dos últimos 100 anos, com um déficit fiscal elevado e um problema de grave desequilíbrio estrutural da Previdência Social em meio a um ambiente de alta dos juros nos Estados Unidos?

Volatilidade ainda alta

Para a corretora Guide Investimentos, a volatilidade dos mercados deverá se manter elevada entre o 1º e 2º turno da eleição presidencial. Ainda assim, uma vitória do candidato mais reformista deve destravar valor do Índice Bovespa, visto que a bolsa brasileira segue em patamares atrativos levando em conta alguns indicadores. O primeiro desses indicadores é a relação entre o preço dos papéis e o lucro projetado para as empresas, o P/L. Hoje, o preço das ações  do Ibovespa equivale a 10,7 vezes o lucro das empresas, enquanto o resto do mundo está mais caro, com um preço equivalente a 15 vezes o lucro. O Ibovespa também está sendo negociado próximo dos 20 mil pontos em dólar, abaixo da média dos últimos 8 anos, de 25 mil pontos em dólares.
A Guide destaca ainda as perspectivas para as empresas locais e, especialmente, ativos que ainda não foram corretamente precificados, e que podem surpreender de forma positiva nos próximos meses em uma eventual vitória de Bolsonaro. “Algumas empresas estão melhor preparadas para aproveitar os ventos mais favoráveis deste novo ciclo, que vislumbramos com um candidato reformista no poder”, diz a corretora.

Preferência e aposta em Bolsonaro

Os investidores têm mostrado preferência pelo candidato do PSL, como ficou claro na semana passada, quando as pesquisas de intenção de voto mostraram o crescimento do apoio a Bolsonaro. A proposta de implantar uma política econômica liberal e, mais que isso, impedir a volta da esquerda e do PT animaram os investidores ao longo da semana. Na sexta-feira, porém, o Índice Bovespa caiu, em um ajuste de posições para aguardar o resultado da votação, afirma Filipe Villegas, analista da corretora Genial Investimentos.
A movimentação da semana passada surpreendeu, com papéis como Petrobras e Banco do Brasil subindo mais de 20% em 30 dias com a especulação de que Bolsonaro poderia vencer no primeiro turno.  “Havia a expectativa até de mais euforia na sexta-feira, mas, com a realização no dia,  o mercado já se antecipou e precificou uma chance de segundo turno”, diz Villegas.
Mesmo assim, é possível que a frustração com um segundo turno leve o mercado a realizar um pouco dos lucros nesta semana, avalia o analista. Mas, mesmo sem uma vitória no primeiro turno, o humor do investidor tende a se consolidar e há espaço para novas altas, talvez não de imediato, mas ao longo do último trimestre do ano. “Se o resultado (vitória de Bolsonaro) se confirmar, o mercado já antecipou 25% a 30% do ganho e ainda pode subir mais”, estima Villegas.

Alta limitada pelos desafios das reformas

Ele não acredita, porém, que Índice Bovespa bata imediatamente em 100 mil pontos com Bolsonaro, como alguns analistas estimam. Em um estudo feito com base na movimentação do Ibovespa, seus desvios padrões, Villegas estima que o índice teria uma resistência entre 90 mil e 92 mil pontos. “Em um primeiro momento, se houver uma alta forte, o índice iria no máximo atingir esse nível”, acredita. Ele admite, porém, que uma eventual euforia poderá levar o índice a subir mais, pelo fluxo de entrada de investimentos. “Mas temos uma agenda de reformas impopulares difícil de ser aprovada que vai segurar a alta do mercado”, acredita. Assim, à medida que as reformas forem se confirmando viáveis, o mercado poderá avançar.

Ataques e debates devem dar o tom do segundo turno

No segundo turno, o grande impasse deve ser o debate entre os dois candidatos, acredita Villegas. “Mais que as pesquisas, os debates, os ataques, devem dar o tom do mercado”, afirma.
Mas se 100 mil pontos para o Ibovespa no caso de vitória de Bolsonaro é um exagero, também é exagerado estimar 60 mil pontos para o índice se Fernando Haddad vencer, diz Villegas. Segundo ele, o candidato do PT está se aproximando do mercado, e analistas políticos acreditam que ele faria um governo diferente do de Dilma Rousseff. Com isso, o índice pode se estabilizar entre 74 mil e 75 mil pontos, até Haddad definir sua política econômica.

Ações para Bolsonaro e para Haddad

Villegas tem duas carteiras, para o caso de vitória de Bolsonaro ou de Haddad.
Caso Bolsonaro ganhe, pela expectativa de euforia do mercado, as grandes beneficiadas seria as empresas estatais, ou com correlação forte com o Índice Bovespa, como a bolsa B3, o Banco do Brasil, Petrobras e Eletrobrás. Empresas de seguros, como SulAmérica (ou Porto Seguro), também ganhariam, pois a expectativa é de alta dos juros, que aumentam os ganhos das carteiras de investimento dessas empresas.
Já no caso de vitória de Haddad, seriam beneficiadas empresas com receita em dólar, como exportadoras, além do setor de construção civil, especialmente empresas voltadas para moradia popular e baixa renda, pelos incentivos que seriam dados ao programa Minha Casa Minha Vida. O setor de educação também seria beneficiado, pelos incentivos para bolsas de estudos. Nessa lista estariam as exportadoras Suzano Papel, Weg, a empresa de educação Estácio e a Porto Seguro (ou SulAmérica) e a construtora MRV, que atua junto à baixa renda.
Em ambos os cenários, independentemente do candidato, Villegas espera uma elevação da taxa de juros, por isso a aposta em seguradoras.

Dólar vai repercutir chances de Bolsonaro

E para o dólar, o que se pode esperar? A equipe de análise do banco ABC Brasil fez uma avaliação considerando os cenários para o segundo turno. Segundo o banco, pesquisas entre gestores de fundos de investimentos, sobre qual seria o nível do dólar no caso da vitória de Bolsonaro ou de Haddad, mostram que a mediana das repostas ficou em R$ 3,50 para o caso do candidato do PSL e em R$ 4,55 se a vitória for do petista. “Ou seja, poderíamos considerar que um patamar “justo”, considerando que as pesquisas de 2º turno estão mostrando uma chance de 50% para cada cenário, seria algo próximo de R$ 4,00”, diz o ABC Brasil.
Portanto, para a moeda americana estar operando entre R$ 3,85 e R$ 3,90 como na semana passada, seria porque o mercado está colocando no preço alguma chance de vitória de Bolsonaro já no 1º turno. Como isso não aconteceu, seria o caso de o dólar se aproximar dos R$ 4,00. Mas isso não é uma certeza, diz o banco. Mesmo que Bolsonaro não ganhe, mas saia das urnas no domingo com uma vantagem confortável para Haddad, o mercado vai precificar uma probabilidade maior do que os 50% que as atuais pesquisas de 2º turno mostram para uma vitória do ex-capitão.
Assim, diz o ABC Brasil, o importante é a leitura do resultado das urnas no primeiro turno e se ele vai mostrar uma força de Bolsonaro maior do que a indicada nas últimas pesquisas. O que parece ser o caso, já que o candidato do PSL terminou com 49% dos votos válidos. Ele precisará apenas manter os atuais eleitores e conseguir 2 pontos percentuais de outros candidatos. Já Fernando Haddad, com 31% dos votos válidos, teria de conseguir 19% de votos.

Dólar entre R$ 3,54 e R$ 5,05

A eleição de um candidato contrário às reformas, papel hoje de Fernando Haddad, do PT, poderia levar o dólar, em um cenário pessimista, para R$ 5,05, estima a corretora Guide Investimentos. No cenário otimista, com Haddad, a moeda americana ficaria em R$ 4,21 e, no mais provável, em R$ 4,61. As projeções levam em conta a paralisação das reformas e das privatizações, o que comprometeria o crescimento gradual da economia.
Haveria ainda um desalinhamento do Congresso com o Executivo e um aumento do prêmio de risco do país, com fuga de recursos estrangeiros de ativos brasileiros. “Nesse contexto, vemos um ciclo de ligeiro crescimento (ou mesmo estagnação) do lucro das empresas, com expectativa de encarecimento do custo do serviço da dívida e volumes de venda em patamares ainda fracos”, diz a Guide. “Assim, vemos que o Ibovespa poderia recuar para um patamar próximo de 63 mil pontos”, estima a corretora.
Já no caso de vitória de um candidato que apoie as reformas, ou seja, Bolsonaro, a expectativa é de melhora econômica, com índices de confiança melhorando nos próximos meses em diversos setores. A Guide espera também um maior alinhamento do Congresso com o Executivo, um avanço nos ajustes fiscais e reformas estruturais e, como resultado, uma maior aplicação de investidores locais e estrangeiros em ativos brasileiros. Isso poderá levar a uma aceleração do crescimento econômico e do lucro das empresas, o que permitira um Índice Bovespa no cenário base de 96 mil pontos e, no cenário mais otimista, de 105 mil pontos. O dólar, por sua vez, recuaria para R$ 3,67 no cenário base e R$ 3,54 no otimista.

Carteiras Bolsonaro e carteira Haddad

Para a Guide, no cenário de vitória de Bolsonaro, as principais recomendações seriam ações de empresas estatais, do setor financeiro, de commodities, e empresas com maior exposição à atividade doméstica. O dólar ficaria abaixo de R$ 4,00 e o risco-Brasil, medido pelos Credit Default Swaps (CDS), ficaria perto dos 150 pontos base, ou 1,5 ponto percentual acima do juro americano. Os juros no Brasil subiriam mas mais gradualmente.
No caso de Haddad, a corretora vê oportunidades em dólar, em ações de empresas de energia (transmissão em especial), no setor financeiro (exceto bancos) por conta da alta dos juros e no setor de saúde. O cenário mais provável é de dólar acima de R$ 5,00, o risco-Brasil do CDS em 300 pontos base (3 pontos percentuais) e um aperto monetário mais acelerado puxando os juros.
logotipo zepol