SAC SAC Deficiente Auditivo ou de Fala contato para deficientes Auditivos
18/03/2019

Pesquisa diz que 56% dos brasileiros vão contar apenas com o INSS

18/03/2019

Como começar a investir em uma renda variável?

18/03/2019

Devo ficar no plano corporativo de previdência após demissão?

18/03/2019

IFRS 17 promove transformação no segmento de seguros

18/03/2019

Ibovespa sobe 0,88% e atinge marca inédita dos 100 mil pontos

18/03/2019

Bolsas da Europa sobem após votação do Brexit nesta terça ser descartada

13/03/2019

Seguro de vida é plano de risco que mais cresce em razão da violência

13/03/2019

Previdência privada perdeu 224 mil participantes

13/03/2019

Empresários projetam ano com avanço lento em encontro no Marcas de Quem Decide

13/03/2019

Previdência privada é opção para quem planeja bem o futuro

13/03/2019

Mercado opera atento a trâmite da Previdência

13/03/2019

Brasil vai ser se configurar como líder de crescimento em seguros

13/03/2019

Previdência Privada: O seu futuro começa agora!

08/02/2019

As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019

08/02/2019

Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma

08/02/2019

Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões

08/02/2019

Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas

08/02/2019

Alerta para o Corretor de seguros, segmento oferece grandes oportunidades em 2019

08/02/2019

Contribuição Sindical e sua importância

08/02/2019

Tribunal de Contas identifica "deficiências" na privatização das seguradoras da Caixa

06/02/2019

Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?

06/02/2019

Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas

06/02/2019

Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver

06/02/2019

Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos

06/02/2019

Os seguros diante dos desastres socioambientais

06/02/2019

Quatro maneiras de aumentar o seguro de assistência a idosos com Internet das Coisas e Inteligência Artificial

06/02/2019

'Não é o mercado que vai resolver a desigualdade social', diz governador do ES

04/02/2019

Mercado livre de energia busca crescimento

04/02/2019

Começa a contagem regressiva para declarar Imposto de Renda

04/02/2019

Reforma da Previdência: por que 4 países da América Latina revisam modelo de capitalização, prometido por Guedes ...

04/02/2019

Mercado reduz expectativa de alta do IPCA para 2019

04/02/2019

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, em dia de foco em empresas

04/02/2019

'Rio Grande do Sul é o maior desafio do Brasil', afirma secretária de Planejamento

04/02/2019

Porto Seguro lucra 34% mais e atinge R$ 1,3 bilhão em 2018

01/02/2019

Funpresp: qual a melhor decisão?

01/02/2019

Imposto de Renda 2019: O leão está chegando!

01/02/2019

O custo da herança: seguro de vida auxilia herdeiros a pagarem despesas para ter acesso ao dinheiro

01/02/2019

Corretor de Seguros deve ficar atento em algumas situações para não ser punido

01/02/2019

Repetitivos e outros casos de destaque na pauta do primeiro semestre de 2019

01/02/2019

Dólar tem maior queda para o mês de janeiro desde 2012

01/02/2019

Estudo aponta para potencial de seguros em mercados emergentes

23/01/2019

Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde

23/01/2019

Susep preparada para novo Brasil

23/01/2019

Conheça algumas razões para contratar um seguro de vida

23/01/2019

Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde

23/01/2019

Produção de seguro direto cresceu 11,7% para mais de 12,9 mil milhões no ano passado

23/01/2019

Novos riscos e novos seguros

23/01/2019

Processo de pagamento do prêmio do Seguro DPVAT é destaque na imprensa brasileira

21/01/2019

Planejamento pra garantir o futuro

21/01/2019

Capitalização

21/01/2019

Você está preparado para a reforma da Previdência?

21/01/2019

'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista

21/01/2019

Regime de capitalização da aposentadoria no INSS na Reforma da Previdência Social em 2019

21/01/2019

Empréstimo rápido pela internet: é seguro?

21/01/2019

Fundamentação da tributação dos seguros e das operações bancárias na proposta de código do IVA

18/01/2019

Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica

18/01/2019

Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica

18/01/2019

Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?

18/01/2019

Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?

18/01/2019

IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...

18/01/2019

Saque integral do FGTS em caso de pedir demissão em 2019 pode ser liberado para trabalhador

18/01/2019

Com exterior positivo, Bolsa ganha fôlego extra e chega aos 96 mil pontos

18/01/2019

Dólar tem alta pontual, mas volta a cair com exterior no radar e realização

14/01/2019

O abandono da ideia de fundir Susep e Previc

14/01/2019

Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019

14/01/2019

Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet

14/01/2019

Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução

14/01/2019

Aposentadoria dos militares: como ela é diferente da previdência do restante da população?

14/01/2019

Novos investidores do Tesouro Direto triplicam com taxa zero de bancos

14/01/2019

Dólar sobe com cautela sobre desaceleração da China e com previdência no radar

11/01/2019

Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria

11/01/2019

Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria

11/01/2019

Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas

11/01/2019

Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar

11/01/2019

Maior oferta de produtos corporativos faz setor de seguros sair...

11/01/2019

JLT lança a 4ª Edição de Relatório sobre Mercado de Seguros e Resseguros no Brasil

11/01/2019

8 dicas muito úteis de planejamento financeiro para 2019

09/01/2019

Planejamento para as despesas de início de ano

09/01/2019

Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?

09/01/2019

Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo

09/01/2019

A forma simples e eficaz de fidelizar segurados

09/01/2019

Renda Fixa ou Fundos de Previdência? Conheça as principais diferenças

09/01/2019

Novas propostas de reforma chegam a dobrar economia na Previdência

09/01/2019

Bolsa supera 93 mil pontos pela primeira vez na história

07/01/2019

Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro

07/01/2019

CNSP regulamenta mercado de anuidades

07/01/2019

Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro

07/01/2019

Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019

07/01/2019

Susep vai mudar normas para combate aos crimes de “lavagem”

07/01/2019

Dólar segue fraco com petróleo forte, negociação comercial e Powell no radar

07/01/2019

Bolsas asiáticas sobem após rali em Nova Iorque e antes de conversas entre EUA e China

04/01/2019

#RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018

04/01/2019

Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018

04/01/2019

Conjuntura CNseg

04/01/2019

O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!

04/01/2019

Empréstimos, cartões e até previdência privada: lojas invadem mercado financeiro

04/01/2019

Seguro DPVAT fica até 79% mais barato, mas não existe desconto para pagamento antecipado

04/01/2019

Presidente da República promulga lei que reforça exigências na venda de seguros

28/12/2018

Feliz 2019

14/12/2018

União Seguradora fecha o ano com novos negócios

14/12/2018

Uma parceria de sucesso

14/12/2018

Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade

14/12/2018

CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor

14/12/2018

Brasilprev vê previdência privada em 2019 mais robusta e acredita em reforma

14/12/2018

Vale a pena investir em PGBL no fim do ano para ter desconto no IR?

14/12/2018

Brasilprev avalia que unificação da Susep e Previc é razoável

04/12/2018

Um Futuro seguro precisa de planejamento

04/12/2018

Um Futuro seguro precisa de planejamento

04/12/2018

Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro

04/12/2018

Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto

04/12/2018

Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório

04/12/2018

A vez da previdência privada com a reforma no novo governo

04/12/2018

Fintechs e mudanças nos serviços financeiros

04/12/2018

Mercado aposta que investidores vão passar a aplicar mais na aposentadoria

05/11/2018

TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção

05/11/2018

Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais

05/11/2018

Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo

05/11/2018

Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS

05/11/2018

Confiança das seguradoras cresceu 26% em outubro

05/11/2018

Líder simplifica pedido do Seguro DPVAT com novo formulário unificado

05/11/2018

Inteligência artificial já é realidade no mercado de seguros

31/10/2018

Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria

31/10/2018

Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros

31/10/2018

Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros

31/10/2018

Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador

31/10/2018

Além do seguro DPVAT obrigatório, quase metade da frota brasileira possui seguro auto

31/10/2018

Confederação de seguradoras entrega 22 propostas para Bolsonaro

31/10/2018

Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS

26/10/2018

Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade

26/10/2018

?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?

26/10/2018

Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal

26/10/2018

Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador

14/01/2019

Aposentadoria dos militares: como ela é diferente da previdência do restante da população?


Alberto dos Santos Cruz, também já defendeu essa posição publicamente.
Além do presidente – que é capitão reformado do Exército – e do vice, o general Hamilton Mourão, o alto escalão do governo Bolsonaro tem seis cargos ocupados por militares.
A reforma dos sistemas de aposentaria no Brasil é considerada um tema essencial para o governo, sem a qual será difícil sanar as contas públicas. E a inclusão ou não dos militares na mudança tem sido tema polêmico desde o governo anterior, quando o presidente Michel Temer excluiu os militares de sua proposta de reforma.
Mas afinal, quais diferenças entre a aposentadoria dos militares e dos civis?

Crescimento da dívida

Entre 2017 e 2018, o déficit de gastos com seguridade social dos militares fora da ativa subiu mais que o do INSS e mais que o sistema de servidores públicos, de acordo com dados oficiais.
O rombo com a aposentadoria dos militares foi de 35,9 bilhões para 40,54% bilhões (até novembro de 2018), um aumento de 12,5%. O déficit para 2019 está projetado em R$ 43,3 bilhões, de acordo com dados da proposta orçamentária para esse ano. Esse valor é 47,7% dos R$ 90 bilhões de déficit previdenciário do setor público.
Enquanto isso, o déficit do INSS cresceu 7,4% entre 2017 e 2018, e o dos funcionários públicos da União cresceu 5,22% no mesmo período.

O Ministério da Defesa afirma que os valores O rombo o sistema de seguridade social dos militares inativos foi de 35,9 bilhões em 2017 para 40,5 bilhões até novembro de 2018, um aumento de 12,5% – maior do que o do INSS e do que o sistema de servidores públicos

A equipe econômica do governo de Jair Bolsonaro (PSL) planeja enviar em fevereiro uma proposta consolidada de reforma da Previdência ao Congresso, segundo o novo ministro da Economia, Paulo Guedes.
Ao que tudo indica, no entanto, os militares devem ficar de fora da reforma – ou ter regras diferentes. O novo comandante do Exército, general Edson Pujol, por exemplo, disse que as Forças Armadas não devem ser incluídas na reforma, e o novo dirigente da Marinha defendeu o sistema diferenciado de aposentadoria militar.
O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos referentes aos militares inativos não se tratam de "despesa previdenciária". Portanto, o gasto projetado de R$ 43,3 bilhões não pode ser entendido como "déficit previdenciário".
A média de valores das aposentadorias e os tetos também são diferentes.
Militares reformados e da reserva ganham em média R$ 13,7 mil por mês. Funcionários públicos da União ganham em média R$ 9 mil e quem se aposenta pelo INSS custa em média R$ 1,8 mil por mês para a previdência – com grandes discrepâncias entre quem recebe mais e quem recebe menos.
Na Previdência Social, para trabalhadores do setor privado, o teto atual da aposentadoria é de R$ 5.645. Já um militar que vai para a reserva não possui um limite máximo para os valores recebidos. Em tese, ele está sujeito ao teto constitucional, equivalente ao salário de ministros do STF, reajustado recentemente para R$ 39,3 mil.

Contribuição
Os militares brasileiros não estão vinculados à Previdência Social (o regime RGPS — Regime Geral de Previdência Social —, administrado pelo INSS) nem ao sistema previdenciário próprio dos funcionários públicos, o RPPS (Regime Próprio de Previdência Social).
Eles têm um sistema próprio de seguridade após saírem da ativa, e as muitas diferenças entre o sistema militar e o sistema de previdência civil são resultado de uma grande diferença conceitual.
O entendimento jurídico que se tem em relação à saída dos militares da ativa, hoje, é que eles na verdade não se aposentam, passam para a reserva e, a partir de certa idade, são reformados, explica o professor Luís Eduardo Afonso, especialista em previdência da USP (Universidade de São Paulo).
Na reserva, eles podem ser chamados em caso de guerra — o que na prática não costuma acontecer, já que o Brasil não convoca reservistas para um conflito desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).
Então, o que o militar recebe tecnicamente não é entendido como um benefício previdenciário, é entendido como um salário – mesmo que na prática ele esteja inativo. Por isso, os militares na ativa não fazem contribuições para suas aposentadorias, apenas para pensões, que vão para dependentes em caso de infortúnios.
"Na prática, o que acontece é que toda a sociedade está pagando pela aposentadoria dos militares. É uma alocação de recursos que não é adequada", afirma Luís Eduardo Afonso.
"Acho que é algo que a gente precisa repensar, já que estamos discutindo benefícios e custos para todos os setores da sociedade."
A contribuição de um civil para o INSS é de 11% do salário bruto.
Já a única contribuição feita por militares, para pensões, é de 7,5% — que pode subir para 9% se o militar tiver ingressado antes de 2001 e quiser manter o benefício de pensão vitalícia para filhas não casadas.
Só o Exército tinha, no início do ano, mais de 67.600 filhas de militares recebendo um total de R$ 407 milhões por mês — o que dá um valor de mais de R$ 5 bilhões por ano. A Aeronáutica e a Marinha não divulgam os valores, apesar de se tratarem de dados públicos. No total, são mais de 110 mil filhas de militares recebendo pensões.
O Ministério da Defesa afirma que a contribuição para pensões é feita "desde o início da carreira até o falecimento", "sem que haja qualquer tipo de contribuição patronal da União".
No entanto, ela não é suficiente para cobrir todas as despesas com pensões — devem ser gastos R$ 21,2 bilhões com as pensões em 2019, segundo a pasta. Desse valor, R$ 3,2 bilhões serão cobertos pelas contribuições, deixando um déficit de R$ 18 bilhões.

Carreira diferente
A lógica por trás da discrepância é que a carreira militar requer condições especiais, já que a categoria tem algumas restrições.
Enquanto estão na ativa, militares não têm direito a greve nem a horas extras e não recolhem FGTS, além de não terem direito a adicionais noturnos e de periculosidade.
"Obviamente, há diferenças. É uma carreira com muitas especificidades, com mais riscos, em que, se a pessoa sair, as condições são diferentes", explica o professor Luís Eduardo Afonso.
No entanto, segundo Afonso e outros especialistas em previdência, os benefícios para os militares aposentados no Brasil acabam pesando muito mais nas contas e ultrapassando os concedidos em outros países, como o Reino Unido e os Estados Unidos.
"A diferença entre a previdência dos militares e o setor privado [qualquer pessoa que aposente pela Previdência Social] no Brasil é muito grande e muito diferente de outros países", afirma o professor de direito Jorge Cavalcanti Boucinhas, da Escola de Administração de Empresas da FGV. "A necessidade de levar em consideração as especificidades do serviço militar não pode ser usada para justificar privilégios."
"É questão conceitual: todos os países estão envelhecendo e isso nos obriga a uma preparação e exige um esforço maior de custeio de toda sociedade — incluindo os militares", afirma Afonso. "E isso não significa deixar de levar em consideração as peculiaridades da carreira."

A questão da idade
A legislação atual permite que os militares brasileiros se aposentem com salário integral após 30 anos de serviço, sem idade mínima.
No setor público a idade mínima é de 55 anos para mulheres e 60 para homens.
Hoje, não há idade mínima para quem se aposenta por tempo de contribuição no INSS. Na reforma da Previdência proposta por Temer, se estabeleceria um limite mínimo de 65 anos para homens e 62 para mulheres – tanto Paulo Guedes quanto Mourão já demonstraram concordar com essa idade, embora o presidente já tenha falado em limites menores.
"Temos um sistema previdenciário que gera muitas desigualdades. E para alguns regimes, a Previdência é muito generosa, permitindo aposentadorias com valores muito elevados e idade relativamente baixa", afirma o professor Luís Eduardo Afonso.
Em um relatório de 2017, o TCU (Tribunal de Contas da União) afirma que mais da metade (55%) dos membros das Forças Armadas no Brasil se aposentam entre os 45 e os 50 anos de idade.
Segundo o professor Boucinhas, da FGV, os militares também são afetados pela questão demográfica que se usa para justificar as reformas na Previdência da iniciativa privada. Ou seja, o envelhecimento da população e o fato das pessoas estarem envelhecendo com mais saúde também deve ter um reflexo para os militares na reserva.
O Ministério da Defesa diz que "tem discutido a questão internamente e com representantes dos demais órgãos do Governo". Mas, segundo a pasta, "as atividades desempenhadas pelas Forças Armadas requerem de seus membros vigor físico compatível".
"O aumento da idade mínima provocaria um envelhecimento inevitável da tropa" e resultaria na "redução da capacidade operacional das Forças".
No entanto, os analistas não concordam com essa visão.
"O grande argumento, inclusive do presidente, é que o militar velho não pode estar na ativa", afirma Boucinhas. "Mas isso já evoluiu muito. Hoje, alguém com 60 anos pode ser absolutamente ativo — afinal, quanto mais alta a patente, menor a chance de ele estar na linha de frente."
Segundo ele, há muitos cargos de comando e inteligência que um militar mais velho poderia ocupar.

Reformas
No Brasil, a remuneração dos militares na reserva e as pensões de militares são regidas por uma série de legislações que vêm desde os anos 1960 — a última alteração foi por meio de uma medida provisória em 2001.
O benefício vitalício pra filhas não casadas foi extinto em 2001, portanto, quem entrou após essa data nas Forças Armadas não tem mais esse direito. Mas o governo deve continuar pagando pensões para filhas de militares pelo menos até 2060, quando ainda devem estar vivas as filhas dos últimos militares que tiveram direito ao benefício.
O Ministério da Defesa afirma que "algumas medidas têm sido avaliadas com o intuito de reduzir o déficit das pensões militares, com a ampliação do rol de contribuintes (contribuição obrigatória inclusive por parte das próprias pensionistas) e avaliação das condições de elegibilidade".
A pasta também cita a reforma de 2001 como parte dos "esforços impetrados pelas Forças Armadas" para a redução de gastos.
A mudança não alterou as outras possibilidades de pensão. Viúvas e viúvos de militares continuam recebendo pensão integral, assim como dependentes de até 21 anos.
Para os analistas, mesmo levando em conta as suas especificidades, a carreira militar no Brasil precisa ser repensada com urgência. "Quando mais se retardar isso, mais vamos sobrecarregar os trabalhadores da iniciativa privada com os ônus", afirma Boucinhas.
"Como dizia o (um dos criadores do Plano Real) Gustavo Franco, todo privilégio vira imposto."
Segundo o ministério, a falta de direitos remuneratórios (como o FGTS) "rende anualmente à União uma economia da ordem de R$ 23 bilhões, valor equivalente às despesas com militares inativos. Em outras palavras, significa dizer que a economia gerada pela ausência de direitos remuneratórios para os militares ativos em serviço é transferida para o pagamento de inativos."
Apesar de afirmar que o sistema atualmente é "autossustentável", o Ministério da Defesa diz que "tem conduzido estudos no intuito de aperfeiçoar o Sistema de Proteção Social dos Militares, visando, no que couber, a redução de gastos, sem provocar danos colaterais que possam comprometer o cumprimento da missão constitucional das Forças Armadas".
No entanto, não há uma data para seu envio ao Congresso. "Os estudos já estão em fase bem avançada, porém, em função da complexidade e a constante evolução dos acontecimentos, não podem ser entendidos como um produto acabado", afirma o ministério.

Fonte: BBC NEWS BRASIL
logotipo zepol