SAC SAC Deficiente Auditivo ou de Fala contato para deficientes Auditivos
06/04/2018

Demanda por bens industriais recuou 1,6% em fevereiro ante janeiro, diz Ipea

05/04/2018

Mercado de seguros propõe ajustes à nova Lei de Licitações

05/04/2018

China impõe tarifas sobre 106 produtos americanos no valor de US$ 50 bi

05/04/2018

Brasil é um dos vencedores com retaliação da China em guerra comercial

05/04/2018

Representantes do mercado de seguros propõem ajustes na nova Lei de Licitações

05/04/2018

Consultoria do Senado aponta impactos da Reforma da Previdência sobre o funcionalismo público

05/04/2018

PMI composto da zona do euro cai a 55,2 em março

05/04/2018

De empréstimos a compras a prazo: saiba se a queda dos juros vai chegar ao consumidor e como evitar o endividamento

03/04/2018

Setor de seguros mantém otimismo e índice de confiança cresce em março

03/04/2018

Ouro sobe com busca por ativos considerados seguros em meio a aversão ao risco

03/04/2018

Em meio à crise, bancos são campeões de lucro: R$ 63 bi em 2017

03/04/2018

Avanços na economia ficarão mais claros com o tempo, diz Meirelles

03/04/2018

Queda dos juros libera R$ 196 bi, diz ministério

03/04/2018

Bovespa sobe amparada por recuperação em Nova Iorque, enquanto dólar renova mínima

03/04/2018

EMPRESAS

27/03/2018

Presidente da CNseg explica o que são as reservas técnicas do setor segurador

27/03/2018

Planejador ou educador financeiro: qual contratar?

26/03/2018

Como declarar INSS e previdência privada no Imposto de Renda 2018

26/03/2018

Liminar suspende novas regras sobre local de incidência do ISS

26/03/2018

Você está preparado? Veja o impacto da transformação digital no mercado de trabalho

26/03/2018

Focus: IPCA para 2018 cai de 3,63% para 3,57% A projeção para o índice em 2019 caiu de 4,20% para 4,10%

26/03/2018

Banco Central reduz custo do cartão de débito

26/03/2018

O desafio para vender serviços em tempos de retração na economia

23/03/2018

União Seguradora dá prêmio de capitalização

28/02/2018

Recadastramento das corretoras de seguros Pessoa Jurídica tem início nesta quinta, 1º de março; SINCOR-GO oferece apoio gratuito a corretoras associadas

28/02/2018

Seguro customizado é tendência no mercado brasileiro

28/02/2018

Seguradora Líder fala sobre modelo de centralização

01/02/2018

Seguradoras sobem 3% e renovam máxima histórica; siderúrgicas estendem rali e Petrobras avança com petróleo

01/02/2018

Seguradoras despontam como o setor mais propenso a mudar o relacionamento com os fornecedores neste ano

01/02/2018

Presidente da Aconseg-RJ vê 2018 com confiança

01/02/2018

Congresso de Corretores de Seguros do Sul do Brasil - BRASESUL/2018

22/12/2017

Gaspar Luiz Machado, 60 anos dedicados ao Mercado Segurador

30/11/2017

Grupo Aspecir apoia o Festival Hípico Noturno

10/11/2017

Urbim, uma vida dedicada ao Mercado Segurador

30/10/2017

Eventos marcam os 500 anos da Reforma Luterana em Porto Alegre e Santa Rosa

30/10/2017

Troféu JRS - 15 anos

19/10/2017

Dia Mundial de Combate ao Câncer de Mama

02/10/2017

Destaques do Mercado de Seguros de Vida e Previdência

22/09/2017

Susep vai regulamentar seguro funeral

22/09/2017

Especialista em educação financeira dá dicas para quem deseja se aposentar

22/09/2017

Governo quer clareza de informações na era digital

21/09/2017

Setor de seguros supera R$ 1 tri e pode trazer novo ciclo, afirma presidente da CNseg

19/09/2017

José Cairoli, governador do RS em exercício, prestigia ação do Grupo Aspecir, no Acampamento Farroupilha

11/09/2017

Troca de previdência privada ganha força com reforma na aposentadoria

11/09/2017

Produção de seguros sobe 0,6% até junho em termos homólogos - ASF

04/09/2017

Troca de previdência privada ganha força com reforma na aposentadoria

29/08/2017

O mercado está pronto para absorver seguros?

29/08/2017

Sincor-SP ressalta importância dos seguros de vida e previdência para população e o mercado

29/08/2017

Pansera: Corretor, chegou a hora do recadastramento

24/08/2017

Como romper paradigmas no mercado de seguros?

20/07/2017

Planos de previdência são opção para futuro estável

19/07/2017

Aspecir completa 80 anos de história

18/07/2017

Aspecir 80 anos

06/09/2016

Índice de Confiança do Setor de Seguros tem alta de 62,2% no ano

06/09/2016

Entenda o que são fundos de pensão

06/09/2016

Mercado de seguros de Pessoas movimenta R$ 15 bilhões no 1° semestre

06/09/2016

Cresce a procura por planos de previdência privada no Brasil

15/07/2016

ASPECIR comemora 79 anos

13/07/2016

Indenizações pagas por seguros crescem 12%

13/07/2016

Aplicações em previdência privada aberta cresceram 12,64% em maio

13/07/2016

Aprovada MP que libera uso do 'FGTS' na garantia de empréstimo consignado

13/07/2016

Aplicações em previdência privada aberta cresceram 12,64% em maio

11/07/2016

COMO FUNCIONA O MICROCRÉDITO

08/07/2016

Mercado de seguros de pessoas movimenta R$ 2,65 bilhões em maio

25/05/2016

Seguro de pessoas cresce 2,44% no 1º tri e totaliza R$ 7,13 bi, diz FenaPrevi

25/05/2016

Captação da previdência privada atinge R$ 21,5 bi no 1º tri, diz FenaPrevi

25/05/2016

Judicialização excessiva prejudica todo o mercado

18/05/2016

Projeto de lei para alterar a relação entre clientes, seguradoras e corretores

18/05/2016

Previdência complementar requer atenção aos tributos

28/04/2016

Confiança do setor de seguros sobe 12,8% em abril com cenário político

13/04/2016

Susep muda norma para transferência de carteiras

07/04/2016

Aportes à previdência aberta sobem 24,3% em janeiro, diz FenaPrevi

07/04/2016

Investidores aplicam mais em previdência privada aberta

07/04/2016

Índice de Confiança do Setor de Seguros cresce 10,2% em março

29/03/2016

Cerimônia de outorga da Medalha Cidade de Porto Alegre

28/03/2016

Milton Machado recebe medalha Cidade de Porto Alegre

28/03/2016

Segurada da União recebe prêmio de capitalização

02/03/2016

Setor de seguros reduz faturamento, mas deve crescer 9% Em 2016

02/03/2016

Lideranças do mercado de seguros debatem, em evento na Bahia, futuro do setor à luz dos cenários econômico e político do país

29/02/2016

Susep edita normas para seguradoras, resseguradoras e previdência complementar

11/02/2016

Segurada da União recebe prêmio de capitalização

10/02/2016

Na crise, cresce o desafio de planejar a aposentadoria

08/01/2016

Grupo Aspecir participa de homenagem ao Batalhão de Suez

06/01/2016

Seis fatores para o sucesso da precificação de seguros

06/01/2016

Principais súmulas e decisões de 2015 estão em relatório do Sacha Calmon

06/01/2016

Juros do cartão de crédito chegam a 415,3%

06/01/2016

Nova norma procura legalizar ações irregulares da Líder

30/12/2015

Confiança do setor de seguros cai 20% em 2015

30/12/2015

Susep aprova acordo entre AXA e SulAmérica no segmento de grandes riscos

30/12/2015

Equilíbrio para grandes desafios

30/12/2015

Expectativa é de mudança de rumos em 2016, diz vice-presidente da Anbima

18/12/2015

Setor de seguros deve desacelerar no Brasil em 2016, prevê CNseg

16/12/2015

CNSP Aprova Seis Resoluções Propostas Pela Susep

16/12/2015

Mercado Segurador devolve para a sociedade R$ 300 milhões por dia

24/11/2015

56ª Edição do Festival Hípico Noturno

24/11/2015

Mercado de seguro brasileiro vai resistir à recessão, diz Axa

24/11/2015

VGBL sustenta o faturamento do setor de seguros

12/11/2015

JULIO MACHADO REPRESENTANTE DO MERCADO GAÚCHO NA CHAPA ÚNICA DA FENAPREVI

28/10/2015

Seguro é a saída para fundos de pensão enfrentarem risco de longevidade

28/10/2015

Como se preparar financeiramente para grandes eventos

14/10/2015

Para onde caminha o mercado de seguros

06/10/2015

Aspecir Previdência firma convênio com a FUSEPERGS

05/10/2015

Tradição e raízes são lembradas no 13° Troféu JRS

21/09/2015

Com crise, financeiras inovam e emprestam dinheiro pela internet

15/09/2015

9 proteções de seguros pouco óbvias que você tem de conhecer

15/09/2015

Seguros sobre riscos digitais vão triplicar a US$7,5 bi até 2020, atraindo concorrentes, diz estudo

15/09/2015

Com os juros do cartão em alta, saiba como escolher o crédito mais adequado ao seu bolso

15/09/2015

Grupo Aspecir na Semana Farroupilha

11/09/2015

Apesar da crise, vendas de seguros seguem disparando

11/09/2015

Câmara aprova aumento de impostos para seguradoras

11/09/2015

Retirada urgência de projeto que cria a Banrisul Corretora de Seguros

11/09/2015

Contratação de Seguro para Eventos pode ser obrigatória

24/08/2015

Os próximos vinte anos

21/08/2015

Plenário aprova prazo máximo de 30 dias para seguradoras pagarem indenização

19/08/2015

Rede privada suspende empréstimos consignados

14/08/2015

Grupo Aspecir assina contrato com Prefeitura de Viamão

28/07/2015

Avança projeto que torna obrigatória carteira do corretor

28/07/2015

Aumento da Selic é um mal necessário, diz economista

23/07/2015

5 opções de empréstimo que costumam ter juros mais baixos

17/07/2015

Aspecir Previdência comemora 78 anos

14/07/2015

Limite de empréstimo consignado sobe de 30% para 35%

07/07/2015

Índice de Confiança do Setor de Seguros fecha o semestre em queda

15/06/2015

Poupar cedo garante faculdade dos filhos

25/05/2015

Ciência Atuarial tem ganhado destaque em casos de previdência complementar

20/05/2015

Entenda a diferença entre seguro de vida individual e coletivo

14/05/2015

Previc: normas para investimentos em infraestrutura devem sair em agosto

12/05/2015

Setor de seguros cresce 22,4% no ano

13/04/2015

Joaquim Levy ressalta a importância do Seguro na vida das pessoas

23/07/2015

5 opções de empréstimo que costumam ter juros mais baixos


São Paulo - Contrair dívidas já é algo suficientemente ruim, mas pode ser pior ainda se você contratar o empréstimo errado.
Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que 40% da população adulta está endividada. Assim, tão importante quanto discutir como evitar o endividamento pode ser entender se essas pessoas estão com a dívida errada.
Segundo o Banco Central, em maio os juros do cheque especial ficaram em 232% ao ano, em média, e os juros do cartão de crédito rotativo (aquele que é cobrado quando a fatura do cartão não é paga) estavam em 361% ao ano. Enquanto isso, em linhas como o crédito consignado privado, os juros médios ficaram em 38% ao ano.
Na prática, ao considerar essas taxas médias, em um empréstimo de 50 mil reais, com prazo de um ano, o devedor pagaria: 174.922,53 reais no cheque especial; 240.895,24 reais no rotativo do cartão de crédito; e 71.288,04 reais no crédito consignado.
Como as duas primeiras linhas são muito práticas e automáticas - os juros começam a rolar assim que o cliente entra no negativo ou deixa de pagar a fatura-, muitas pessoas acabam pagando juros altos à toa, sem se dar conta de que existem opções de empréstimo mais baratas.
“As pessoas estão nas dívidas erradas. Elas entram no cheque especial porque é mais fácil e o próprio banco incentiva isso: no extrato, o cheque especial aparece como se fosse parte do nosso saldo o que leva à falsa impressão de que ele é uma extensão do salário. O rotativo do cartão, então, é ainda mais temerário”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito).
Tente eliminar a dívida antes de tudo
Antes de avaliar quais linhas de crédito são mais vantajosas, é importante checar se é possível resolver as pendências financeiras sem recorrer ao empréstimo. “A melhor coisa nesse momento é organizar o orçamento e não se endividar porque as taxas de juros estão muito altas e têm elevado muito o valor das dívidas”, diz Marcela.
Ao analisar como o orçamento pode ser enxugado, é importante verificar se você não está se concentrando apenas no corte de gastos pequenos, que não farão grande diferença de forem limados. Em alguns casos, pode ser mais efetivo repensar custos fixos e mais pesados.
Além de verificar se é possível reduzir algum gasto no orçamento, a economista-chefe do SPC Brasil sugere também que a pessoa avalie se não seria possível vender algum bem, como um carro, para que o empréstimo não seja necessário.
Se a dívida já foi contraída, também é importante conversar com o credor para analisar a possibilidade de negociar o pagamento. "O credor tem tanto interesse em resolver a dívida quanto o devedor em pagar”, diz Marcela Kawauti.
Segundo Luiz Rabi, economista da Serasa Experian, é essencial que o devedor busque a origem do descontrole e não veja o empréstimo como a solução final do problema.
“O crédito pode resolver emergencialmente a situação, mas é preciso equalizar as contas de forma sustentável. Se a pessoa está com um buraco no orçamento, o problema é estrutural, não conjuntural e o crédito resolverá a situação apenas momentaneamente”, diz Rabi.
Caso o endividamento seja a única alternativa, no entanto, aí sim é o momento de analisar qual empréstimo penalizará menos seu bolso.
A seguir, cinco tipos de empréstimos que costumam praticar taxas de juros muito inferiores a de linhas de crédito como o rotativo do cartão e o cheque especial.

1) Crédito consignado

Vantagens: Esta é uma das modalidades mais indicadas por especialistas, e não à toa. Os juros são alguns dos mais baixos do mercado. Como as parcelas da dívida são descontadas da folha de pagamento do devedor, os bancos têm mais garantia de que receberão o pagamento em dia e oferecem taxas inferiores a de empréstimos que não têm essa segurança.
Desvantagens: Nem todas as pessoas têm acesso à linha. O consignado é oferecido apenas a pensionistas e aposentados do INSS, que são aquelas pessoas que recebem aposentadoria oficial ou pensões do governo, e a empregados de empresas privadas que possuem convênios com bancos para oferecer o crédito consignado aos seus funcionários.
“O consignado funciona como um benefício, que pode ou não ser oferecido pelas empresas aos funcionários. Por isso, é mais comum que empresas grandes ofereçam a linha de crédito, empresas menores nem sempre oferecem”, diz Marcela.
Alguns bancos cobram taxas de avaliação de crédito, tarifas de cadastro e podem tentar embutir seguros no empréstimo, por isso é essencial observar o Custo Efetivo Total (CET) da operação, taxa que inclui não apenas os juros, como todos os custos envolvidos no empréstimo.
Além disso, é essencial pesquisar o CET da operação em diferentes instituições, comparando não apenas os custos entre bancos grandes como em bancos de menor porte, que podem oferecer condições mais vantajosas.

2) Refinanciamento do imóvel

Vantagens: Nesse empréstimo o proprietário oferece seu imóvel como garantia da dívida, por isso a linha é chamada de refinanciamento de imóvel (ou de home equity, termo importado de uma operação de crédito do mercado americano semelhante à realizada no Brasil). Como o banco tem a garantia de que poderá retomar o imóvel se não receber o pagamento da dívida, os juros são mais baixos, os valores emprestados podem passar dos milhões de reais e os prazos podem chegar a até 20 anos.
Os juros podem ser ainda menores do que os do crédito consignado, variando entre 19,56% a 26,82% ao ano, mas existem outros custos envolvidos na operação.
Desvantagens: A maior desvantagem dessa linha é o seu alto risco, já que em caso de inadimplência o banco pode retomar o imóvel do devedor. Também é um empréstimo que envolve muitos custos além dos juros.
Como é realizada uma operação de alienação fiduciária, na qual o imóvel fica no nome do banco até a quitação da dívida, é preciso registrar a operação em cartório, como em um financiamento. O custo de registro do imóvel varia conforme a região, mas no site do Santander, o banco afirma que o custo gira em torno de 0,6% do valor do imóvel. Podem ser cobradas tarifas também de avaliação do imóvel e de análise jurídica, que variam entre 500 reais e 2.500 reais e seguros.
Assim, apesar dos juros mais baixos é essencial observar o CET da operação. Reportagem anteriormente publicada em EXAME.com mostra que os custos finais podem ser bem maiores do que os do crédito consignado, mas ainda assim são inferiores aos do cheque especial e do rotativo do cartão.
Portanto, o refinanciamento pode ser mais indicado para quem não tem acesso ao consignado e precisa de um empréstimo com prazos e valores superiores aos de outras operações.

3) Antecipação da restituição do Imposto de Renda 

Vantagens: Como o pagamento da dívida é debitado da conta do devedor assim que a restituição de Imposto de Renda (IR) é depositada, os bancos também têm mais garantia de que receberão o pagamento e oferecem taxas reduzidas. As taxas partem de 1,93% ao mês, o equivalente a 25,78% ao ano.
Ainda que esse tipo de empréstimo se encaixe na modalidade de crédito pessoal, suas taxas costumam ser inferiores às de outras operações de crédito pessoal, que não oferecem a restituição de IR ou outros valores a serem creditados, como o 13º salário, como garantia.
Desvantagens: Se houver inconsistências na declaração de IR, o contribuinte pode cair na malha fina e o valor de restituição inicialmente previsto pode ser reduzido ou, pior, pode nem chegar a ser depositado. E mesmo que a situação com o Fisco seja regularizada, o valor da restituição pode ser pago apenas a partir do ano seguinte ao da declaração, nos lotes residuais.
Mesmo assim, o banco exigirá que o pagamento seja feito no máximo até dezembro, quando é depositado o último lote de restituição do IR. Assim, o tomador pode não ter condições de pagar a dívida.
Vale mencionar que o crédito fica disponível apenas no banco que o devedor indicou na declaração para recebimento da restituição, o que pode não ser tão conveniente.
Luiz Rabi, economista da Serasa, também lembra que nesse tipo de empréstimo o prazo é mais curto. "O cronograma da dívida segue as datas dos lotes da Receita Federal. Como o horizonte se esgota em poucos meses, o devedor deve se organizar para que o problema seja resolvido em pouco tempo", diz.

4) Antecipação do 13º salário

Vantagens: Por ter a contrapartida do 13º salário, também é uma linha que costuma ter taxas inferiores a de outros empréstimos pessoais que não possuem créditos a serem recebidos como garantia do pagamento, como no caso da antecipação do IR.
Desvantagens: Mesmo que o empregador não deposite o 13º salário, a dívida é descontada da conta do devedor no dia do vencimento da dívida acordado com o banco. Assim, o devedor pode correr o risco de não ter recursos para pagar o empréstimo.
Outra desvantagem é que com a antecipação o devedor abre mão de receber o 13º salário no final do ano. “A pessoa antecipa um crédito que cairia justo na época em que mais se gasta, que é o final do ano, quando temos despesas com presentes de Natal, viagens e com os gastos de início de ano, como IPVA, IPTU e material escolar, por exemplo”, afirma Marcela Kawauti. 

5) Crédito pessoal oferecido por sites

Vantagens: Alguns sites têm oferecido crédito pessoal com juros mais baixos do que os cobrados em bancos grandes. Como esses sites não têm custos de manutenção com agências físicas e geralmente são mais rigorosos na concessão do crédito, eles conseguem montar uma carteira mais concentrada em bons pagadores, o que reduz os riscos e permite que eles ofereçam juros menores.
Alguns dos sites que oferecem esse tipo de empréstimo são o Bom Pra Crédito, o Geru e o Lendico (veja a matéria completa sobre os sites especializados em empréstimos). 
Esses sites fazem parcerias com bancos de médio e pequeno porte para oferecer os recursos e funcionam como correspondentes bancários.
Desvantagens: Entre os contras está justamente a análise mais rigorosa de crédito, que pode impedir que algumas pessoas tenham o crédito aprovado.
"O interessado deve estar preparado para a burocracia. Como esses sites não conhecem o cliente e o seu histórico de pagamento, como acontece nos bancos grandes, eles exigem uma série de informações para se certificar de que o cliente pode pagar a dívida”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.
Outra desvantagem ainda é que, em alguns casos, esses sites podem cobrar taxas de administração, por isso, novamente, é preciso avaliar o CET da operação e não apenas os juros.

Fonte: Exame por Priscila Yazbek
logotipo zepol